quarta-feira, 31 de março de 2010

Web TVCN

FICAR OU NAMORAR?



FONTE: Canção Nova

FORMAÇÕES




POR QUE ESTA SEMANA É SANTA?

O ápice está na Vigília Pascal e no Domingo da Ressurreição

Na Semana Santa, a Igreja Católica celebra os mistérios da salvação, levados a cumprimento por Jesus Cristo nos últimos dias de Sua vida, a começar pelo Seu ingresso messiânico em Jerusalém. O tempo da Quaresma, o período de 40 dias, cujo início é na Quarta-feira de Cinzas, continua até a Quinta-feira Santa. A partir da Missa Vespertina da Quinta-feira (“in Cena Domini”/Ceia do Senhor) inicia-se o Tríduo Pascal, que abrange a Sexta-feira Santa “da Paixão do Senhor” e o Sábado Santo. E tem o seu ápice na Vigília Pascal e no Domingo da Ressurreição.


A Semana Santa começa no Domingo de Ramos, que une num todo o triunfo real de Cristo e o anúncio de Sua Paixão. Desde a Antiguidade se comemora a entrada do Senhor em Jerusalém com uma procissão solene. Com ela, os cristãos celebram esse evento, imitando as aclamações e os gestos das crianças hebreias, que foram ao encontro do Senhor com o canto do "Hosana" (o grito de exaltação e adoração ao messianismo de Jesus).


Durante a Semana Santa, a Igreja Católica celebra todos os anos os grandes mistérios da redenção humana. O Tríduo Pascal tem início na Quinta-feira Santa com a Missa do Lava-pés, expressão máxima da frase de Jesus – “Eu vim para servir, não para ser servido”. Nessa celebração, Cristo deixa o exemplo do amor ao próximo. Nessa Missa também se recorda a instituição da Eucaristia e do sacerdócio. Ao final da celebração, acontece a “Transladação do Santíssimo”, na qual o sacerdote recolhe as Hóstias Consagradas e as deposita no sacrário. Tudo isso acontece numa procissão luminosa, na qual o povo, em silêncio e recolhimento, é chamado à adoração a Nosso Senhor Jesus Cristo, que vai se entregar como sacrifício.


Na Sexta-feira Santa recorda-se o dia em que Cristo se entrega como vítima pela humanidade. A celebração desse dia se dá em três partes: liturgia da Palavra com o Evangelho da Paixão, adoração da cruz, com o tradicional beijo da cruz e distribuição da comunhão. Esse é o único dia em que não há Missa. Nesse dia, os católicos observam o jejum juntamente com a abstinência de carne. Também nesse dia se guarda o silêncio numa atitude de oração e contemplação.


Na noite do Sábado, segundo uma antiquíssima tradição da Igreja Católica, celebra-se a chamada “Vigília Pascal”. Esta noite santa, em que Jesus ressuscitou, deve ser considerada como “mãe de todas as santas vigílias”. Esta celebração inclui a chamada “bênção do fogo novo” com uma procissão luminosa, por meio da qual os fiéis católicos renovam sua fé em Jesus: a luz do mundo; a proclamação solene da Páscoa com o canto do “Exultat”; as leituras do Antigo e Novo Testamentos; e a celebração de um batismo, que é expressão da vida nova, que Jesus veio trazer. Os fiéis são convidados a cantar com alegria que “Jesus Ressuscitou”.


O Domingo de Páscoa, para os católicos, marca o início de um novo ciclo ou como é chamado “O Tempo Pascal”, que se estende por cinquenta dias, até a chamada Festa de Pentecostes (descida do Espírito Santo). Esses dias são vividos com a mesma intensidade e júbilo como se fossem um só e mesmo dia, o “Dia da Ressurreição”.




Padre Donizete Heleno
Responsável pela Liturgia da Canção Nova
FONTE: Canção Nova

LITURGIA DO DIA

LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura: Is 50,4-9a - Salmo: Sl 68 - Evangelho: Mt 26,14-25

LITURGIA DIÁRIA

EVANGELHO (Mateus 26,14-25)

Quarta-Feira, 31 de Março de 2010
Semana Santa

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 14um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os sumos sacerdotes 15e disse: “Que me dareis se vos entregar Jesus?” Combinaram, então, trinta moedas de prata. 16E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus.
17No primeiro dia da festa dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?” 18Jesus respondeu: “Ide à cidade, procurai certo homem e dizei-lhe: ‘O Mestre manda dizer: o meu tempo está próximo, vou celebrar a Páscoa em tua casa, junto com meus discípulos’”.
19Os discípulos fizeram como Jesus mandou e prepararam a Páscoa. 20Ao cair da tarde, Jesus pôs-se à mesa com os doze discípulos. 21Enquanto comiam, Jesus disse: “Em verdade eu vos digo, um de vós vai me trair”. 22Eles ficaram muito tristes e, um por um, começaram a lhe perguntar: “Senhor, será que sou eu?”
23Jesus respondeu: “Quem vai me trair é aquele que comigo põe a mão no prato. 24O Filho do Homem vai morrer, conforme diz a Escritura a respeito dele. Contudo, ai daquele que trair o Filho do Homem! Seria melhor que nunca tivesse nascido!” 25Então Judas, o traidor, perguntou: “Mestre, serei eu?” Jesus lhe respondeu: “Tu o dizes”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

FONTE: Canção Nova

LITURGIA DIÁRIA - HOMILIA




O AMOR NÃO É AMADO*

Postado por: Padre Pacheco

31 de março/2010

Na Ceia Evangélica de hoje, à medida que nos aproximamos da Paixão de Jesus vai sobressaindo a sinistra figura do homem que será útil aos planos homicidas dos judeus: Judas Iscariotes. Tudo acontece num clima de amizade traída e no contexto da Ceia Pascal de Jesus com os Seus discípulos, isto é, na primeira Eucaristia da história.

As autoridades judaicas, depois de decidirem a morte de Cristo, deram ordem para que quem conhecesse o paradeiro do Senhor as informasse. Pois bem, Judas presta-se a isso e, junto dos sumos sacerdotes, avalia a vida de Jesus em trinta moedas de prata. É o preço de um escravo (cf. Ex 21,32). A sua incontrolada avareza conduz Judas a um final deplorável. Durante a Santa Ceia, Jesus desmascara as secretas intenções do traidor, porque Ele, como Senhor da vida e da morte, é quem dispõe da Sua própria “hora”. Mas contudo, ensaia uma última oferta de amizade para a conversão de Judas. Os discípulos, consternados pelo anúncio do Mestre: “Um de vós me vai entregar”, perguntam uns para os outros: “Sou eu porventura, Senhor”? Também Judas fez a mesma pergunta; e a resposta de Jesus foi afirmativa, tentando até o último minuto recuperar o discípulo extraviado. Mas o traidor não voltou atrás.

Em seguida, o pão e o vinho – sinal já do amor criador de Deus e da vida que d’Ele emana por inetrmédio de Cristo – passam de mão em mão, significando o propósito de Jesus de partilhar com os Seus, e estes entre si, a vida que Ele vive com Deus Pai. Isso significa comungar eucaristicamente: integração do homem pecador na vida de Deus mediante o Corpo e o Sangue imolados de Cristo; não em privado, mas em comunhão com os irmãos. Foi dessa “comunhão” que se autoexcluiu Judas por sua conta, participasse fisicamente ou não da Eucaristia.

O ato da traição de Judas é sempre impressionante, como deve ter sido especialmente para os seus companheiros, os apóstolos, por ter lugar precisamente no círculo mais íntimo e próximo do Senhor. Exemplo arrepiante que nos revela a profundidade do coração humano, capaz do mais nobre: o amor e a amizade; e também do mais vil: o ódio e a traição. Tudo isso fruto da liberdade do homem, que Deus respeita profundamente.

Se Deus aceita o homem e a mulher tal como são e confia neles, inclusivamente num traidor, como o fez Cristo, devemos aprender nós a lição: aceitar como irmão todo homem e mulher, por mais indignos que nos pareçam. A regeneração é sempre possível, porque a graça de Deus é mais forte que a miséria humana.

Esta Quarta-feira Santa convida-nos para a revisão de vida pessoal e comunitária sobre a nossa resposta a um amor imenso, que nos precedeu, o de Deus, visível em Cristo. Os santos viveram tão intensamente a profundidade deste amor abismando-se nele. Como São Francisco de Assis que percorria montes e descampados repetindo como que fora de si: “O Amor não é amado; o Amor não é amado”.

Padre Pacheco
Comunidade Canção Nova

*Cf. B, CABALLERO. A Palavra de cada dia. p. 166-167. Paulus: 2000.
FONTE: Canção Nova

SANTO DO DIA




SÃO BENJAMIM

31 de março

Diácono e Mártir

Nasceu no ano de 394 na Pérsia, e ao ser evangelizado, começou a participar da Igreja ao ponto de descobrir sua vocação ao diaconato.

Serviu a Palavra e aos irmãos na caridade, chamando a atenção de muitos para Cristo.

Chegou a ser preso por um ano, sofrendo, e se renunciasse ao nome de Jesus, seria solto. Porém, mesmo na dor, na solidão e na injustiça, ele se uniu ainda mais ao Cristo crucificado.

Foi solto com a ordem de não falar mais de Jesus para ninguém, o que era impossível, pois sua vida e seu serviço evangelizavam.

Benjamim foi canal para que muitos cegos voltassem a ver, muitos leprosos fossem curados e assim muitos corações duvidosos se abriram a Deus.

Foi novamente preso, levado a publico e torturado para que renunciasse à fé. Perguntou entao ao Rei, se gostaria que algum de seus súditos fosse desleal a ele. Obviamente que o rei disse que não. E assim o diácono disse que assim também ele, não poderia renunciar a sua fé, a seu Rei, Jesus Cristo.

E por não renunciar a Jesus, foi martirizado. Isso no ano de 422.

São Benjamim, rogai por nós!
FONTE: Canção Nova

terça-feira, 30 de março de 2010

ELIANA RIBEIRO CANTA PARA OS INTERNAUTAS



FONTE: Canção Nova

ROSA DE SARON CANTA "SEM VOCÊ"



FONTE: Canção Nova

VIDA EM FAMÍLIA

ESTOU EM SINTONIA COM QUEM ESTÁ DO MEU LADO?




FONTE: Canção Nova

KAIRÓS DOMINGO DE RAMOS




SOMOS UM VASO DELICADO NAS MÃOS DE DEUS

É preciso buscar a cada dia um pouco mais o conhecimento de uma vida em Jesus. Nós estamos sempre a caminho do céu. A vida tem sempre essa dinâmica, e a gente não se cansa de ser cristão.

É chegar perto de Jesus para que Ele fale no nosso coração. Você já fez a experiencia de chegar a Jesus e não dizer nada. As vezes temos muito para falar, e não sobra tempo para o Senhor falar conosco.

Talvez todas as certezas que você tenha, não são de tudo inaproveitadas, tem muita coisa boa, mas permita que Deus faça ainda mais por você. Estar aberto para aprender o que é bom, o que é do céu. Muitas vezes nos esbarramos em pessoas que já se consideram saber de tudo, acham que já aprenderam tudo e não precisam de mais nada; dessa forma, Deus não pode fazer por elas.

É difícil chegar em um coração que já se fechou à possibilidade para que Deus faça alguma coisa. Existem pessoas que já começam com estas frases: "Eu não consigo!", "Eu não quero mais!" Ou "Eu não posso!" E "Não tenho capacidade!"; assim a pessoa já está ditando a regra do jogo, num negativismo que não a deixa fazer nada. Talvez não tenha competência, mas é preciso tentar.

É tentando, é fazendo o caminho que vamos poder dizer isso, e se em algum momento não deu certo, eu sempre costumo dizer: Sente e dê risada. Mas não fique no caminho sentado sem fazer nada, sempre imaginado: "Será que teria dado certo?" É preciso começar, é preciso dar o primeiro passo.

Alguns dizem: “Tenho tanta vontade de experimentar essa fé de Jesus Cristo”, outros dizem: "Padre, vocês estão tão pertinho de Deus". E eu sempre digo: "Não, nós estamos todos juntos, Deus não faz salinha de reserva especiais, não, e as pessoas que Deus mais vai cobrar no final será de nós padres. Então, estamos no mesmo barco e precisamos viver o tempo desta experiência. Para conhecer a Jesus Cristo é preciso começar.

Eu tenho hoje desafiado as pessoas a não pararem no ritualismo, mas a tentarem ir além, fazerem a experiência de um conhecimento maior, já trazendo a realidade da nossa vida, mas não saímos dessa realidade para simplesmente entrar numa igreja, é tão bonito quando levamos a realidade da nossa casa e da nossa vida celebrada para o altar de Deus.

Não podemos deixar que um acontecimento ruim da nossa vida, como uma doença, paralise a nossa experiência com Deus, porque entendemos que Jesus está ao nosso lado. É a centralidade de um Jesus que encontramos na nossa vida e que nos permite viver tudo de maneira tão clara, porque nada neste mundo poderá nos separar do amor de Deus.

O conhecimento de São Paulo não foi só ali no ato de cair do cavalo, foram anos, é o tempo da nossa vida que nos fará conhecer Jesus. Não pense que Paulo nasceu Paulo, ou Pedro nasceu Pedro, não, eles foram se fazendo ao longo do tempo porque deixaram que Jesus conduzisse as suas vidas.

É preciso deixar Deus conduzir a nossa vida, mas não é uma vida de passividade, é deixar que Deus seja o condutor. É preciso confiar um pouco mais naquilo que o Senhorpode fazer por nós.

Eu não alcancei ainda, mas estou a caminho, e estar caminhando é um processo que se faz todos os dias, quando nós acordamos como um vaso bonito e delicado e que precisa ser cuidado por Deus, do contrário, podemos acabar colocando esse vaso nas mãos de pessoas erradas que não vão cuidar de nós. O caminho que precisamos buscar é o que Paulo fez, o de sermos alcançados por Jesus Cristo.

Essa é a beleza de Deus, do Senhor da nossa história, que respeita o nosso jeito de ser e quase sempre tem falado da forma mais simples e discreta ao nosso coração, e nós tão cheios de coisas, que já não somos mais capazes de ouvir. Pare e pense quais são os deuses que têm sido senhores da sua vida?

O Senhor é radical no Seu chamado, quando nos diz para deixar as nossas certezas, abrir mão de tantas coisas que para nós podem parecer certas. É preciso começar a viver e a ser discípulos d'Ele agora. Não podemos ficar só na pregação. Vamos entrar na Semana Santa nesta certeza de que queremos experimentar verdadeiramente este Jesus Cristo.

Os lixos que nós fomos construindo com os nossos sentimentos e ressentimento, e a maneira como temos vivido dentro da nossa casa. É Deus pedindo passagem nos nossos corações para que o perdão aconteça. O Senhor precisa de você para fazer isso, Ele sempre quis utilizar de pessoas para falar coisas bonitas no coração de outras também. São Paulo é o nosso grande exemplo.

A sua atitude tem que ser diferente. É como Jesus nos ensina, se você ama quem já o ama, que diferença faz? É preciso pedir a coisa certa para Deus. Eu preciso dar o primeiro passo, eu preciso ser diferente, as minhas atitudes não podem ser a mesma daqueles que não são cristãos. O amor de Deus é libertador. As coisas deste mundo não podem ocupar a essencialidade na nossa vida, essas coisas não podem ocupar o lugar de Deus no nosso coração.


Padre Silvio César, sdb

Padre Silvio é sacerdote da ordem dos Salesianos de Dom Bosco e Diretor do Instituto do Coração Eucarístico Salesiano na cidade de Pindamonhangaba (SP)
FONTE: Canção Nova

LITURGIA DO DIA

LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura: Is 49,1-6 - Salmo: Sl 70 - Evangelho: Jo 13,21-33.36-38

LITURGIA DIÁRIA

EVANGELHO (João 13,21-33.36-38)

Terça-Feira, 30 de Março de 2010
Semana Santa

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, estando à mesa com seus discípulos, 21Jesus ficou profundamente comovido e testemunhou: “Em verdade, em verdade vos digo, um de vós me entregará”. 22Desconcertados, os discípulos olhavam uns para os outros, pois não sabiam de quem Jesus estava falando.
23Um deles, a quem Jesus amava, estava recostado ao lado de Jesus. 24Simão Pedro fez-lhe um sinal para que ele procurasse saber de quem Jesus estava falando. 25Então, o discípulo, reclinando-se sobre o peito de Jesus, perguntou-lhe: “Senhor, quem é?”
26Jesus respondeu: “É aquele a quem eu der o pedaço de pão passado no molho”. Então Jesus molhou um pedaço de pão e deu-o a Judas, filho de Simão Iscariotes. 27Depois do pedaço de pão, Satanás entrou em Judas. Então Jesus lhe disse: “O que tens a fazer, executa-o depressa”.
28Nenhum dos presentes compreendeu por que Jesus lhe disse isso. 29Como Judas guardava a bolsa, alguns pensavam que Jesus lhe queria dizer: ‘Compra o que precisamos para a festa’, ou que desse alguma coisa aos pobres. 30Depois de receber o pedaço de pão, Judas saiu imediatamente. Era noite.
31Depois que Judas saiu, disse Jesus: “Agora foi glorificado o Filho do Homem, e Deus foi glorificado nele. 32Se Deus foi glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo, e o glorificará logo. 33Filhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco. Vós me procurareis, e agora vos digo, como eu disse também aos judeus: ‘Para onde eu vou, vós não podeis ir’”.
36Simão Pedro perguntou: “Senhor, para onde vais?” Jesus respondeu-lhe: “Para onde eu vou, tu não me podes seguir agora, mas seguirás mais tarde”. 37Pedro disse: “Senhor, por que não posso seguir-te agora? Eu darei a minha vida por ti!” 38Respondeu Jesus: “Darás a tua vida por mim? Em verdade, em verdade te digo: o galo não cantará antes que me tenhas negado três vezes”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

FONTE: Canção Nova

LITURGIA DIÁRIA - HOMILIA




UM AMOR TRAÍDO*

Postado por: Padre Pacheco

30 de março/2010

A passagem evangélica de hoje, com o anúncio da traição de Judas e da futura negação de Pedro, situa-se nos preliminares da celebração da ceia pascal. Jesus está reunido com os seus discípulos. Acabado o lava-pés, passa a anunciar-lhes a traição de um deles. A perplexidade invade o grupo. O discípulo amado, João, por indicação de Pedro, pergunta ao mestre quem é. “Aquele a quem eu der o pão umedecido no molho. E umedecendo o pão, deu-o a Judas, filho de Simão Iscariotes. Depois do pão entrou nele satanás”.

Aquele oferecimento do pão, feito por Jesus a Judas não deixaria de ser um sinal de distinção, como convidando-o a retificar os seus planos homicidas e reaver uma amizade rompida pela sua ambição e ressentimento. Tudo foi inútil. Judas rejeitou definitivamente o amor de Jesus. Então, Cristo disse-lhe: “O que tens a fazer, faça-o depressa.

Quando Judas saiu da sala era de noite, fala João com intenção simbólica. O traidor é um exemplo das trevas sobre as quais brilhou em vão a luz, segundo diz o prólogo de São João. Judas é o que ama as trevas mais que a luz, porque as suas obras eram más. Chegou a noite predita por Jesus, a do poder das trevas. Mas a longa noite que então se abateu sobre as terra terá a sua aurora no primeiro dia da ressurreição.

Os apóstolos não entenderam o que se referia Jesus com a sua glorificação, mas algo de surpreendente suspeitavam quando pedro lhe pergunta: “Senhor, para onde vais?… darei a minha vida por ti. Jesus respondeu-lhe: Darás a tua vida por mim? Em verdade te digo que não cantará o galo sem que me tenhas negado três vezes”. Os discípulos nãos podem seguir Jesus no seu caminho para a morte; não estão ainda preparados. O silêncio adensa-se. Cristo já pode começar seu discurso de despedida.

Dois homens que falham: Judas e Pedro. Mas o seu pecado tem origem diversa: num é a avareza que odeia, no outro a debilidade que ama. E o seu final é muito diferente: Judas desespera e Pedro arrepende-se. Naturalmente, o que amava conhecia Jesus melhor que o que odiava.

Nem o plano traidor de Judas nem a generosidade impetuosa e frustrada de Pedro influirão no desígnio que já está marcado pelo pai e aceito por Jesus. Ele tinha dito: “Por isso o meu Pai me ama: porque eu entrego a minha vida para a poder recuperar. Ninguém me tira, mas sou eu que a entrego livremente”. E na ceira comentou: “Ninguém tem maior amor que o que dá a vida pelos seus amigos”.Essa é a missão de Jesus e do cristão: amor que dá vida aos outros.

Padre Pacheco,
Comunidade Canção Nova.

*Cf. B, CABALLERO. A Palavra de cada dia. p. 165-166. Paulus: 2000.

FONTE: Canção Nova

SANTO DO DIA




SÃO JOÃO CLÍMACO

30 de março

Nasceu na Palestina em 579, dentro de uma família cristã que passou para ele muitos valores, possibilitando a ele uma ótima formação literária.

Clímaco desde cedo foi discernindo sua vocação à vida religiosa. Diante do testemunho de muitos cristãos que optavam por ir ao Monte Sinai, e ali no Mosteiro viviam uma radicalidade, ele deixou os bens materiais e levou os bens espirituais para o Sinai. Ali, com outros irmãos, deixou-se orientar por pessoas com mais experiência, fazendo um caminho pessoal e comunitário de santidade.

Foi atacado diversas vezes por satanás, vivendo um verdadeiro combate espiritual.

São João Clímaco buscou corresponder o chamado de Deus em meio as duras penitências, a pouca alimentação, sacrifícios, intercessões e participação nas Santas Missas.

Perseverou até o fim da vida, partindo para a glória aos 70 anos de idade.

São João Clímaco, rogai por nós!
FONTE: Canção Nova

segunda-feira, 29 de março de 2010

KAIRÓS DOMINGO DE RAMOS


HOMILIA DA MISSA DE RAMOS


Quando chegou perto da descida do monte das Oliveiras, a multidão dos discípulos, aos gritos e cheia de alegria, começou a louvar a Deus por todos os milagres que tinha visto. Todos gritavam: “Bendito o rei, que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas alturas!” Do meio da multidão, alguns dos fariseus disseram a Jesus: “Mestre, repreende teus discípulos!” Jesus, porém, respondeu: “Eu vos declaro: se eles se calarem, as pedras gritarão”. (Lucas 9,35 - 40)

Ouça essa pregação na íntegra

Enquanto o povo gritava: hosana, o filho de Davi e proclamando, Jesus estava no burro sabendo que era a sua última semana, pois na sexta-feira Ele morreria.

Porque o povo aclama: hosana, filho de Davi? Porque no coração do povo que era escravo dos romanos, achava que Jesus iria acabar com os romanos e eles estariam livre. Mas Jesus sabia que estava indo morrer para salvação de todo povo.

“Ora, havia alguns gregos, entre os que tinham subido a adorar no dia da festa. Estes, pois, dirigiram-se a Filipe, que era de Betsaida da Galiléia, e rogaram-lhe, dizendo: Senhor, queríamos ver a Jesus. “ Filipe foi dizê-lo a André, e então André e Filipe o disseram a Jesus. E Jesus lhes respondeu, dizendo: E chegada a hora em que o Filho do homem há de ser glorificado. Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto. (João 12, 21 – 24)

Se Jesus não morresse não seriamos salvos. Se Jesus não morresse todos nós iramos para o inferno. A única pessoa que podemos pedir para morrer é Jesus, porque se Ele não morrer pereceremos no inferno. Precisamos pedi a Deus que morra por nós.





'Se alguém me serve, siga-me, e onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará.'

Nesta vida não podemos reclamar da cruz, porque Jesus passou sem reclamar, então devemos seguir os passos de Jesus, e assim também seremos honarrado.

Vocês são filhos de Deus e muito honrado, Jesus morreu por você.

O Senhor é tão apaixonado por mim e por você, e porque foi tão apaixonado que Ele pegou a cruz, Ele pegou a arma que o mataria.

Vamos entrar na Semana Santa com a certeza que precisamos ser santos. Lutemos porque chegaremos ao paraiso.


Padre José Augusto

Padre da Comunidade Canção Nova

FONTE: Canção Nova

FORMAÇÕES




NOSSA SENHORA E A EUCARISTIA

Jesus se torna acessível às pessoas na comunhão

O Papa João Paulo II escreveu o documento Ecclesia de Eucharistia falando da extrema ligação de Nossa Senhora com a Eucaristia. Há um nexo profundo entre Maria Santíssima e a Eucaristia; o próprio Papa João Paulo II afirma que Ela foi o primeiro sacrário do mundo, por essa razão, Ela em tudo tem a ver com Jesus Eucarístico. A primeira coisa que o saudoso Pontífice nos recorda é que Maria não estava presente no momento da instituição da Eucaristia, na Santa Ceia, pois não era o papel dela estar lá, mas através de sua intercessão, realizou-se o milagre da transubstanciação pelo poder do Espírito Santo.


O que faz um homem ser homem? É a beleza física? A cor dos seus cabelos? O formato de sua orelha? Nada disso. O que o faz ser homem é algo que não se vê, é a alma! É a essência de alguém que o faz ser quem é. Assim, quando vemos a hóstia branca, redonda, de diversos tamanhos, não fazemos conta da essência, da substância e é isso que acontece no momento da transubstanciação, ou seja, a transformação da substância vinho e pão para Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.


Jesus se torna acessível às pessoas na comunhão. Todos podem receber a Eucaristia, independentemente de sua condição física ou psicológica. Deus quis que você recebesse o Corpo, a Alma e a Divindade de Cristo. É Jesus, que se esconde e se aniquila através da Eucaristia.

Só há um caso em que o Senhor não está na hóstia: é quando o trigo ou o vinho se estragam, deixando de ser pão e vinho, não tem como ser Jesus. Jesus não "está" no pão, Jesus é o Pão Consagrado. Quantas vezes, Ele entra na boca de um bêbado e até de alguém que não está preparado para recebê-Lo na comunhão.


Quando compreendermos o amor de Jesus por nós, nosso desejo pela Eucaristia será maior. Hóstia significa "vítima oferecida em sacrifício". Cristo deu o poder aos sacerdotes para consagrarem a substância do pão e do vinho em Corpo e Sangue d'Ele por inteiro, é a palavra de Cristo pelo sacerdote. O sacramental é aquilo que depende de nossa fé; mas, o sacramento é diferente, pois, por exemplo, no sacramento do batismo a criança não precisa ter fé para acontecer a graça, pois é Deus quem opera.


Todos nós conhecemos a passagem bíblica que narra as Bodas de Caná (cf. Jo 2,1-12). Naquele momento, o Senhor mudou tanto a aparência como a substância do líquido, diferentemente do que acontece durante a consagração, na celebração da Santa Missa. A essência do trigo é o próprio Corpo de Cristo; a essência do vinho é Seu próprio Sangue.


Assim como Jesus se fez presente no seio da Santíssima Virgem Maria durante a gestação, quando O recebemos na Hóstia Consagrada, Ele está presente dentro em nós. Então, como Maria, podemos cantar o "Magnificat".


Nosso Senhor Jesus Cristo se encarna no corpo de cada um de nós, também com o desígnio de nos salvar. Ele tem uma paixão enorme pela nossa essência, a nossa alma, por isso, tenta de todas as maneiras salvá-la. Diante disso, cabe a nós olharmos para Cristo, na Eucaristia, com a mesma adoração que Isabel recebeu Maria, quando grávida, ao visitá-la (cf. Lucas 1,39-56).


Assim como a Igreja e a Eucaristia não se separam; a Virgem Maria e a Eucaristia também não se separam. Quem entra na comunhão com Cristo, entra na escola de Maria, pois Ela tem muito a nos ensinar!




Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com
Prof. Felipe Aquino, casado, 5 filhos, doutor em Física pela UNESP. É membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de Aprofundamentos no país e no exterior, já escreveu 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: "Escola da Fé" e "Trocando Idéias". Saiba mais em Blog do Professor Felipe

FONTE: Canção Nova

SORRINDO PRA VIDA

O SENHOR ESPERA PELA NOSSA CONVERSÃO

Mensagem do missionário Dunga no programa "Sorrindo pra Vida" da TV Canção Nova, nesta segunda-feira, dia 29 de março de 2010

Eu quero convidar você para abrir a Palavra de Deus em:
Romanos 8,1-8




“Eis a razão pela qual diz o Senhor: Se voltares, farei de ti o servo que está a meu serviço. Se apartares o precioso do que é vil serás como a minha boca. Serão eles, então, que virão a ti, e não tu que irás a eles” (Jeremias 15, 19).


Aqui na Palavra diz que o Senhor fica na expectativa de uma conversão nossa. Por isso Ele nos diz se nos convertermos, Ele nos converterá e nos transformará, colocando-nos do jeito que Ele nos pensou. É essa mão de Deus que pega a história de um filho, de uma filha e a vai transformando, convertendo naquilo que Ele imaginou.


Talvez a sua vida esteja numa mesmice porque ainda você não se converteu e Deus não pode fazer isso por você, porque Ele lhe deu a liberdade. Mas se você se converter Deus o transformará e você ficará na presença d'Ele.


Saber que tudo aquilo que você pensa e faz, suas intenções, sentimentos, ter a consciência de que você está na presença de Deus, isso tudo faz toda a diferença. Sabendo disso, você tem uma força maior para não pecar. Ninguém fala mal de uma pessoa na frente dela, podemos até falar a verdade, mas mal não. Então como falar e agir mal sabendo que estamos na presença do Senhor?


E se souber separar o que é bom daquilo que não presta, então você será a boca de Deus. Será a boca do Senhor na sua casa, saberá separar as amizades, os programas de televisão que você vai assistir, assim como o que vai acessar na internet, e saberá também escolher o melhor para os seus filhos.


Deus quer sempre falar ao nosso coração, mas se tudo dentro de casa está misturado, de modo que você não sabe separar o que é bom do ruim, como é que você vai ouvir o que o Senhor quer falar a você?


A direção para a sua vida hoje é esta: seja a boca de Deus, comece agora, hoje, e você ficará na presença do Senhor. Seu casamento, seus amigos e irmãos estarão participando da sua conversão porque você estará sendo a boca de Deus para os seus e para os demais.


Que no dia de hoje, ao abrir a sua boca, saiam tantas bênçãos dela, que as pessoas queiram ficar ao seu lado. Hoje você será bênção, será a boca de Deus para muitos.


Dunga
Comunidade Canção Nova

Transcrição e adaptação: Célia Grego

FONTE: Canção Nova

LITURGIA DO DIA

LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura: Is 42,1-7 - Salmo: Sl 26 - Evangelho: Jo 12,1-11

LITURGIA DIÁRIA

EVANGELHO (João 12,1-11)

Segunda-Feira, 29 de Março de 2010
Semana Santa

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

1Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi a Betânia, onde morava Lázaro, que ele havia ressuscitado dos mortos. 2Ali ofereceram a Jesus um jantar; Marta servia e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. 3Maria, tomando quase meio litro de perfume de nardo puro e muito caro, ungiu os pés de Jesus e enxugou-os com seus cabelos. A casa inteira ficou cheia do perfume do bálsamo.
4Então, falou Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, aquele que o havia de entregar: 5“Por que não se vendeu este perfume por trezentas moedas de prata, para dá-las aos pobres?” 6Judas falou assim, não porque se preocupasse com os pobres, mas porque era ladrão; ele tomava conta da bolsa comum e roubava o que se depositava nela.
7Jesus, porém, disse: “Deixa-a; ela fez isto em vista do dia da minha sepultura. 8Pobres, sempre os tereis convosco, enquanto a mim, nem sempre me tereis”.
9Muitos judeus, tendo sabido que Jesus estava em Betânia, foram para lá, não só por causa de Jesus, mas também para verem Lázaro, que Jesus ressuscitara dos mortos. 10Então, os sumos sacerdotes decidiram matar também Lázaro, 11porque por causa dele, muitos deixavam os judeus e acreditavam em Jesus.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

FONTE: Canção Nova

LITURGIA DIÁRIA - HOMILIA




JESUS EM BETÂNIA*

Postado por: Padre Pacheco

30 de março/2010

O Evangelho de hoje reflete acerca de um momento de descanso de Jesus na casa de uma família muito estimada por Ele. Na casa dos amigos Lázaro – a quem tinha ressuscitado -, Marta e Maria. Essa amizade sincera é um alívio para o Senhor em meio ao ódio dos inimigos d’Ele, como víamos nos dias anteriores. Os adversários não desistem de seu empenho, dado que a ressurreição de Lázaro era fato que falava por si só do poder divino de Cristo.

Faltavam seis dias para a Páscoa. Enquanto estavam a jantar, Maria tomou um vaso de nardo, autêntico e caro, ungiu Jesus nos pés e enxugou-os com seus cabelos. E a casa encheu-se da fragrância do perfume. Tal gesto é criticado por Judas Escariotes, alegando hipocritamente que o dinheiro que valia o perfume poderia ter sido dado aos pobres. O seu valor calculado, trezentos denários, era o salário anual de um trabalhador. Realmente um desperdício, segundo Judas. Mas não é que lhe importassem muito os pobres, adverte o evangelista; se o disse foi porque era ladão, e como tinha a bolsa levava o que lá iam pondo. Jesus ignorou a crítica e, saindo em defesa de Maria.

Ao narrar este mesmo episódio, o evangelista Marcos é mais explícito e põe na boca de Jesus, ao justificar o esbanjamento da unção, estas palavras: “Antecipou-se a ungir o meu corpo para a sepultura. Asseguro-vos que em qualquer parte do mundo onde se proclame o evangelho, se recordará o que ela fez”. Cristo entendeu o pormenor afetuoso e o seu significado mais profundo como anúncio da Sua própria morte, sepultura e ressurreição. O aroma que enche a casa adianta já a fragrância do amanhecer do domingo da Páscoa.

Como Nosso Senhor Jesus Cristo, nós também fomos ungidos no dia do nosso batismo, que nos incorporou na Sua morte e ressurreição. A Páscoa aproxima-se, e na Vigília Pascal renovaremos a nossa fé e promessas batismais. No batismo fomos submersos e sepultados com Cristo para morrer para o pecado, e também com Ele nascemos para a vida nova de Deus, como filhos d’Ele, membros de Cristo e da Igreja e irmãos de todos os homens. A renovada fragrância do batismo deve encher toda a nossa vida.

Padre Pacheco
Comunidade Canção Nova

*Cf. B, CABALLERO. A Palavra de cada dia. p. 163-164. Paulus: 2000.

FONTE: Canção Nova

SANTO DO DIA




SÃO CONSTANTINO

29 de março

Rei de uma região da Inglaterra, casou-se, mas não assumiu seriamente esta aliança, tanto que deixou a esposa para se dedicar as guerras militares. Nesta aventura de poder e fama, ele – como São Paulo - 'caiu do cavalo'. Era pagão, converteu-se ao cristianismo e assumiu seriamente o chamado a santidade.

Entrou para um mosteiro Irlandês e descobriu seu chamado ao sacerdócio, ligado a missão. Junto com outro santo, percorreu muitas regiões da Inglaterra anunciando o nome de Jesus, que tem o poder de nos dar a vitória sobre o 'homem velho'.

Constantino foi martirizado no ano de 598, atacado por pagãos duros de coração com o Evangelho.

São Constantino, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova

domingo, 28 de março de 2010

REVOLUÇÃO JESUS




SANGUE DE JOVEM NÃO CORRE, REVOLUCIONA!

Li recentemente uma frase que me deixou bem impactado, a frase é esta: “Sangue de jovem não corre, tira racha!”

Realmente é assim, queremos as coisas para já e para agora! Só você imaginar a lentidão da tua net. Se o download demora com certeza a sua impaciência vem em banda larga!

Outros podem usar a frase adaptada: “sangue de jovem não corre, voa”. Prefiro usar:

Sangue de jovem não corre, revoluciona!

Temos uma força forte que corre em nossas veias. Parece redundante, mas não é!

Esta força é forte! Pois vem do próprio Deus. Tem gente demais querendo nos convencer que esta força é fraca! Não se deixe iludir!

Fizemos uma experiência com Jesus, ele nos olhou e mudou a nossa vida! Provocou Revolução! E se ainda não provocou, pare de ler este post e se permita ser olhado por Ele! Ele está perto e está com o olhar fixo em você!

Esta experiência foi e é tão forte que nos faz pegar a vida nas mãos e dá-la um destino, um sentido! Gastar a vida na construção de um mundo mais bacana!

Quero te convidar a se mexer, a provar uma Revolução, algo que vai além de ideologia, mas algo que parte do encontro com uma pessoa! Jesus!

Como você se encontra hoje? Tem vontade de mudar o mundo? Vamos anunciar com a vida que é possível ser outro Cristo!

Apesar das dificuldades, não se deixe desencorajar nem renuncie os seus sonhos!

A vida pode até ser dura e difícil, porém acredite: Ser jovem é ter uma visão além do alcance!

O sangue de Jesus nos libertou! Este sangue revoluciona nossa vida e nos leva a falar mais alto que antes e nos dá a certeza de que é preciso mudar esta realidade!

Está em nossas mãos o futuro! Ou vai viver de passado? Pegue cada chance que tem e faça desta chance a oportunidade de provocar a Revolução Jesus!

Se está no presente, viva-o como ele é, ou seja, um presente! Abra-se e se perceba como presente, como Dom.

Neste post, quero provocar você a uma radicalidade na santidade! A deixar-se atrair por Deus e assim fazer algo para mudar a realidade! Podemos anunciar a vida eterna, e que o céu é uma conquista já garantida com Jesus, mas falta nossa parte!

“Os santos são os verdadeiros reformadores. Só dos Santos, só de Deus provém a verdadeira revolução, a mudança decisiva do mundo. ( Bento XVI)

E aí, vamos juntos provocar a Revolução Jesus?

Comente retuite, coloque no Orkut este texto, até se quiser imprimi-lo e queimá-lo e que a fumaça produzida possa anunciar Jesus. Provoque uma reação! Vamos fazer barulho, mas que este barulho tenha o conteúdo que gera sentido, gera vida!

Um conteúdo que é pessoa, é Jesus!

Tamu junto!

Adriano Goncalves - Canção Nova

FONTE: Canção Nova

LITURGIA DO DIA

LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura: Is 50,4-7 - Segunda leitura: Fl 2,6-11 - Salmo: Sl 21 - Evangelho: Lc 19,28-40

LITURGIA DIÁRIA

EVANGELHO (Lucas 19,28-40)

Domingo, 28 de Março de 2010
Domingo de Ramos

Naquele tempo, 28Jesus caminhava à frente dos discípulos, subindo para Jerusalém. 29Quando se aproximou de Betfagé e Betânia, perto do monte chamado das Oliveiras, enviou dois de seus discípulos, dizendo: 30“Ide ao povoado ali na frente. Logo na entrada encontrareis um jumentinho amarrado, que nunca foi montado. Desamarrai-o e trazei-o aqui. 31Se alguém, por acaso, vos perguntar: ‘Por que desamarrais o jumentinho?’, respondereis assim: ‘O Senhor precisa dele’”.
32Os enviados partiram e encontraram tudo exatamente como Jesus lhes havia dito. 33Quando desamarravam o jumentinho, os donos perguntaram: “Por que estais desamarrando o jumentinho?” 34Eles responderam: “O Senhor precisa dele”. 35E levaram o jumentinho a Jesus. Então puseram seus mantos sobre o animal e ajudaram Jesus a montar. 36E enquanto Jesus passava, o povo ia estendendo suas roupas no caminho.
37Quando chegou perto da descida do monte das Oliveiras, a multidão dos discípulos, aos gritos e cheia de alegria, começou a louvar a Deus por todos os milagres que tinha visto. 38Todos gritavam: “Bendito o rei, que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas alturas!”
39Do meio da multidão, alguns dos fariseus disseram a Jesus: “Mestre, repreende teus discípulos!”
40Jesus, porém, respondeu: “Eu vos declaro: se eles se calarem, as pedras gritarão”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor!


EVANGELHO (Lc 23,1-49) (APÓS A PROCISSÃO DE RAMOS DURANTE A LITURGIA DA PALAVRA):


Leitor 1: Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, + segundo Lucas.

Naquele tempo, 1toda a multidão se levantou e levou Jesus a Pilatos. 2Começaram então a acusá-lo, dizendo:
Ass.: “Achamos este homem fazendo subversão entre o nosso povo, proibindo pagar impostos a César e afirmando ser ele mesmo Cristo, o Rei”.
Leitor 1: 3Pilatos o interrogou:
Leitor 2: “Tu és o rei dos judeus?”
Leitor 1: Jesus respondeu, declarando:
Pres.: “Tu o dizes!”
Leitor 1: 4Então Pilatos disse aos sumos sacerdotes e à multidão:
Leitor 2: “Não encontro neste homem nenhum crime”.
Leitor 1: 5Eles, porém, insistiam:
Ass.: “Ele agita o povo, ensinando por toda a Judeia, desde a Galileia, onde começou, até aqui”.
Leitor 1: 6Quando ouviu isto, Pilatos perguntou:
Leitor 2: “Este homem é galileu?”
Leitor 1: 7Ao saber que Jesus estava sob a autoridade de Herodes, Pilatos enviou-o a este, pois também Herodes estava em Jerusalém naqueles dias. 8Herodes ficou muito contente ao ver Jesus, pois havia muito tempo desejava vê-lo. Já ouvira falar a seu respeito e esperava vê-lo fazer algum milagre. 9Ele interrogou-o com muitas perguntas. Jesus, porém, nada lhe respondeu.
10Os sumos sacerdotes e os mestres da Lei estavam presentes e o acusavam com insistência. 11Herodes, com seus soldados, tratou Jesus com desprezo, zombou dele, vestiu-o com uma roupa vistosa e mandou-o de volta a Pilatos. 12Naquele dia Herodes e Pilatos ficaram amigos um do outro, pois antes eram inimigos.
13Então Pilatos convocou os sumos sacerdotes, os chefes e o povo, e lhes disse:
Leitor 2: 14“Vós me trouxestes este homem como se fosse um agitador do povo. Pois bem! Já o interroguei diante de vós e não encontrei nele nenhum dos crimes de que o acusais; 15nem Herodes, pois o mandou de volta para nós. Como podeis ver, ele nada fez para merecer a morte. 16Portanto, vou castigá-lo e o soltarei”.
Leitor 1: 18Toda a multidão começou a gritar:
Ass.: “Fora com ele! Solta-nos Barrabás!”
Leitor 1: 18Barrabás tinha sido preso por causa de uma revolta na cidade e por homicídio. 20Pilatos falou outra vez à multidão, pois queria libertar Jesus. 21Mas eles gritavam:
Ass.: “Crucifica-o! Crucifica-o!”
Leitor 1: 22E Pilatos falou pela terceira vez:
Leitor 2: “Que mal fez este homem? Não encontrei nele nenhum crime que mereça a morte. Portanto, vou castigá-lo e o soltarei”.
Leitor 1: 23Eles, porém, continuaram a gritar com toda a força, pedindo que fosse crucificado. E a gritaria deles aumentava sempre mais. 24Então Pilatos decidiu que fosse feito o que eles pediam. 25Soltou o homem que eles queriam — aquele que fora preso por revolta e homicídio — e entregou Jesus à vontade deles.
26Enquanto levavam Jesus, pegaram um certo Simão, de Cirene, que voltava do campo, e impuseram-lhe a cruz para carregá-la atrás de Jesus. 27Seguia-o uma grande multidão do povo e de mulheres que batiam no peito e choravam por ele. 28Jesus, porém, voltou-se e disse:
Pres.: “Filhas de Jerusalém, não choreis por mim! Chorai por vós mesmas e por vossos filhos! 29Porque dias virão em que se dirá: ‘Felizes as mulheres que nunca tiveram filhos, os ventres que nunca deram à luz e os seios que nunca amamentaram’. 30Então começarão a pedir às montanhas: ‘Cai sobre nós! e às colinas: ‘Escondei-nos!’ 31Porque, se fazem assim com a árvore verde, o que não farão com a árvore seca?”
Leitor 1: 32Levavam também outros dois malfeitores para serem mortos junto com Jesus. 33Quando chegaram ao lugar chamado “Calvário”, ali crucificaram Jesus e os malfeitores: um à sua direita e outro à sua esquerda. 34Jesus dizia:
Pres.: “Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem!”
Leitor 1: Depois fizeram um sorteio, repartindo entre si as roupas de Jesus. 35O povo permanecia lá, olhando. E até os chefes zombavam, dizendo:
Ass.: “A outros ele salvou. Salve-se a si mesmo, se, de fato, é o Cristo de Deus, o Escolhido!”
Leitor 1: 36Os soldados também caçoavam dele; aproximavam-se, ofereciam-lhe vinagre, 37e diziam:
Ass.: “Se és o rei dos judeus, salva-te a ti mesmo!”
Leitor 1: 38Acima dele havia um letreiro: “Este é o Rei dos Judeus”. 39Um dos malfeitores crucificados o insultava, dizendo:
Leitor 3: “Tu não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós!”
Leitor 1: 40Mas o outro o repreendeu, dizendo:
Leitor 4: “Nem sequer temes a Deus, tu que sofres a mesma condenação? 41Para nós, é justo, porque estamos recebendo o que merecemos; mas ele não fez nada de mal”.
Leitor 1: 42E acrescentou:
Leitor 4: “Jesus, lembra-te de mim, quando entrares no teu reinado”.
Leitor 1: 43Jesus lhe respondeu:
Pres.: “Em verdade eu te digo: ainda hoje estarás comigo no Paraíso”.
Leitor 1: 44Já era mais ou menos meio-dia e uma escuridão cobriu toda a terra até as três horas da tarde, 45pois o sol parou de brilhar. A cortina do santuário rasgou-se pelo meio, 46e Jesus deu um forte grito:
Pres.: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito”.
Leitor 1: Dizendo isso, expirou.
(Aqui todos se ajoelham e faz-se uma pausa)
Leitor 1: 47O oficial do exército romano viu o que acontecera e glorificou a Deus, dizendo:
Leitor 5: “De fato! Este homem era justo!”
Leitor 1: 48E as multidões, que tinham acorrido para assistir, viram o que havia acontecido e voltaram para casa, batendo no peito. 49Todos os conhecidos de Jesus, bem como as mulheres que o acompanhavam desde a Galileia, ficaram à distância, olhando essas coisas.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.
FONTE: Canção Nova

LITURGIA DIÁRIA - HOMILIA

"JERUSALÉM, JERUSALÉM!"

Postado por: Padre Pacheco

28 de março/2010

Foi diante da morte do justo que o mundo sentiu tristeza profunda por ter ofendido a Deus.

Hoje, o relato da Paixão de Nosso senhor segundo São Lucas nos conta como os poderosos rivais, Herodes e Pilatos, tornam-se amigos às custas de jesus, mandando-o de um para o outro como objeto de diversão. Conta também como um dos malfeitores crucificados com Jesus escarnece do sofrimento do justo. Por outro lado, vemos Simão de Cirene ajudando Jesus a levar a cruz; as mulheres chorando o seu sofrimento; o bom ladrão solicitando a misericórdia de Jesus; o povão que se arrepende… Qual é a nossa atitude diante do sofrimento do justo? A de pilatos e Herodes? A das mulheres e do bom ladrão?

O oficial romano ao pé da cruz exclamou: “Realmente este homem era um justo!” O que é ser justo, no sentido da Bíblia? Por que o justo sofre? A primeira e a segunda leitura respondem: por obediência a Deus. Então, Deus manda sofrer? Não é isso horrível e cruel? Não, Deus não manda sofrer o justo, seu “filho”. Só manda amar. Amar até o fim. Mas quem ama, sofre!

O justo que ama, sofre, não por causa da paixão sentimental, mas porque ele não quer ser infiel ao amor que começou a demonstrar, e que se opõe a violência dos donos de nosso mundo. Nesta fidelidade, o justo pode expirar como Jesus, dizendo: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. Ser justo é corresponder àquilo que Deus espera de nós, colaborar com o seu plano

Diante da cruz do justo que morre, temos que optar: ou pelo lado dos que dão a sua vida para viver e fazer viver o amor de Deus, ou pelo lado dos que se dão as mãos para suprimir a justiça: lado de quem carrega a cruz ou de quem a impõe…

Padre Pacheco,
Comunidade Canção Nova.
FONTE: Canção Nova

SANTO DO DIA




SÃO GUNTRANO

28 de março

Guntrano teve muitos descaminhos, muitas opções erradas. Teve muitas mulheres e muitos filhos. Como todo ser humano, buscou a felicidade, porém em lugares errados.

Um homem social, político e de grande influência, mas com o coração inquieto e desejoso de algo maior.

Deu toda a sua herança para um sobrinho e se decidiu a viver uma radicalidade cristã, ou seja, viver o chamado à santidade.

Então, Guntrano passou a ouvir a Palavra de Deus e a acolher os conselhos dos bispos. Governou na justiça, a partir dos bons conselhos recebidos. Viveu a renúncia de si mesmo para abraçar a cruz e fazer a vontade de Deus.

Faleceu com 68 anos, depois de consumir-se no amor a Deus e aos irmãos, sendo cristão na sociedade.

São Guntrano, rogai por nós!
FONTE: Canção Nova

sábado, 27 de março de 2010

HOME - PAPA BENTO XVI - MENSAGEM




RENÚNCIAS AJUDAR A DAR "SIM À VERDADEIRA VIDA", DIZ PAPA BENTO XVI A JOVENS


Mais de 70 mil jovens de Roma, Lazio e todos os cantos do mundo se encontraram com Bento XVI na noite desta quinta-feira, 25, para celebrar os 25 anos das Jornadas Mundiais da Juventude.

O encontro aconteceu na Praça de São Pedro. O Papa chegou às 20h30min (em Roma - 16h30min em Brasília); antes, a partir das 19h, houve momentos de celebração, reflexão e apresentações, organizados pelo Serviço Diocesano da Pastoral da Juventude, de Roma.

O Pontífice respondeu a três perguntas fundamentais sobre a fé, propostas pelos jovens Giulia, Luca e Enrico.

Enrico perguntou ao Santo Padre como encontrar forças para tomar decisões corajosas e aceitar as renúncias que Jesus pede a cada um. Bento XVI ressaltou que as renúncias são possíveis e se tornam belas se têm um porquê que justifique a dificuldade da renúncia.

"A arte de ser homem exige renúncias, e as renúncias verdadeiras, que nos ajudam a encontrar a estrada da vida, a arte da vida, nos são indicadas na Palavra de Deus e nos ajudam a não cair no abismo das drogas, do álcool, da escravidão da sexualidade, da escravidão do dinheiro, da preguiça".

O Papa ressaltou que todas essas atitudes parecem plenas de liberdade em um primeiro momento, embora sejam "o começo de uma escravidão que se torna sempre mais insuperável. Ser capaz de renunciar à tentação do momento, andar adiante rumo ao bem cria a verdadeira liberdade e faz preciosa a vida. Nesse sentido, me parece, devemos ver que sem um 'não' a certas coisas não cresce o grande 'sim' à verdadeira vida, como a vemos nas figuras dos santos".


Olhar e vida eterna

A jovem Giulia revelou ao Papa que não consegue imaginar o que seja a vida eterna, mas que deseja fazer de sua vida "algo de belo e grande".

"Nenhum de nós está capacitado para imaginar a vida eterna, porque está fora da nossa experiência. No entanto, podemos começar a compreender o que seja a vida eterna, e penso que vós, com vossa pergunta, nos deu uma descrição do essencial da vida eterna, isto é, da verdadeira vida: não desperdiçar a vida, vivê-la em profundidade, não viver para si mesmo, não viver apenas por viver, mas viver realmente a vida na sua riqueza e na sua totalidade", respondeu Bento XVI.

E agregou: "Este é o ponto essencial: conhecer, com a ajuda da Igreja, da Palavra de Deus e dos amigos, a vontade de Deus, seja em linhas gerais, comuns a todos, seja na realidade concreta da minha vida pessoal. Assim, a vida torna-se, talvez, não muito fácil, mas bonita e feliz".

Por sua vez, o jovem Luca questionou como seria possível, também hoje, viver a experiência de ser olhado por Jesus, ao que o Pontífice indicou:

"O primeiro ponto para se encontrar com Jesus, para fazer a experiência de Seu amor é conhecê-lo. Conhecer Jesus implica diversas vias. Uma primeira condição é conhecer a figura de Jesus como nos aparece nos Evangelhos, [...] falar com Jesus na oração. falar com Jesus na oração. [...] Escutar, responder, entrar na comunidade dos fiéis, comunhão com Cristo nos sacramentos, onde se dá a nós, seja na Eucaristia, seja na Confissão, etc, e, finalmente, fazer, realizar as palavras da fé, que se tornam força da minha vida, e eis que aparece verdadeiramente, também a mim, o olhar de Jesus e Seu amor me ajuda, me transforma".

FONTE: Canção Nova

SORRINDO PRA VIDA

DEUS ESTÁ SEMPRE PRONTO PARA OUVIR VOCÊ

Mensagem do missionário Márcio Mendes no programa "Sorrindo pra Vida" da TV Canção Nova, nesta sexta-feira, dia 26 de março de 2010.



Eu quero convidar você para abrir a Palavra de Deus em Salmos 126 e 127.





A Palavra de Deus é um manual para nós, pois ele nos ensina a viver com sabedoria, mas é preciso ouvi-lo e colocá-lo em prática. É preciso, de verdade, obedecer à Palavra de Deus, porque é quando obedecemos que ela nos salava, pois tem força de salvação para nós.

O que ela nos revela? Que devemos ser prontos para ouvir, mas lentos para falar; mais lentos ainda para nos irritar, porque aquele que se encoleriza não é capaz de realizar a justiça de Deus.

Sejamos mansos diante da Palavra que é plantada no nosso coração, pois ela é capaz de nos salvar concretamente. Ela nos salva hoje, agora, nesse momento; ela descortina um horizonte que antes nós não enxergávamos, mostra-nos a saída para o problema que estamos vivendo. Aproxime-se do Senhor, porque é d'Ele que sai uma força capaz de transformar a nossa vida. Aquele ânimo que nos falta para fazermos a coisa certa, o Espírito Santo nos dá quando nos aproximamos da Palavra de Deus, porque ela nos traz sabedoria, força, coragem a proteção.

Aquele que guarda no seu coração a Palavra de Deus por Ela é guardado. O maligno não pode tocá-lo. Isso já é motivo para nós de grande alegria. Não basta ser apenas um ouvinte; a salvação vem quando colocamos a Palavra em prática.

Ninguém melhor do que o Senhor para saber da existência de pessoas com temperamentos difíceis, que transformam tudo em maldade e veem pecado em tudo por não controlar as más inclinações do seu coração, e por isso condenam a todos. Sabendo o Senhor que nós corremos o risco de cair nesse pecado, Ele nos orienta para irmos com calma, escutando primeiro, porque existe, dentro de nós, esta inclinação para criticar as pessoas.

Seja uma pessoa boa. Seja pronto para ouvir e lento para falar, aprenda com o seu Pai do céu, porque Ele é quem está sempre pronto a ouvir você. Mesmo quando ninguém mais o escuta, Deus ouve você. Se Ele o escuta, Ele pode fazer por você o que ninguém mais pode. Os olhos de Deus estão voltados para você, Ele vê sua boas intenções; mas Deus tem paciência com você, porque não quer varrê-lo junto com o mal que entrou em seu coração. Deus tem fé em você; Ele não quer que sejamos destruídos pelo mal.

O Senhor é sempre pronto para nos fazer o bem, porque Ele quer salvar a todos e não quer nos jogar fora por causa dos erros que cometemos; ao contrário, o coração d'Ele arde de desejo de nos atender, de por a mão sobre nós.

Deus nos ouve – escreva isso no seu coração – e ao mesmo tempo abre os nossos ouvidos para que possamos ouvi-lo e também os nossos irmãos.

Márcio Mendes
Comunidade Canção Nova

Transcrição e adaptação: Célia Grego

FONTE: Canção Nova

HOME - PAPA BENTO XVI




SOFRIMENTOS ATUAIS PURIFICAM A IGREJA, DIZ PREGADOR DO PAPA


O Papa Bento XVI participou nesta sexta-feira, 26, da terceira e última meditação da Quaresma, conduzida pelo Pregador da Casa Pontifícia, frei Raniero Cantalamessa, que refletiu sobre as tentações que podem colocar o sacerdócio em crise.

"Cristo sofre mais do que nós pela humilhação de seus sacerdotes e a aflição de sua Igreja. Se o permite é porque conhece o bem que delas pode nascer em vista de uma maior pureza da Igreja". Com essas palavras, o religioso franciscano concluiu suas pregações da Quaresma deste ano, na Capela Redemptoris Mater da residência pontifícia, no Vaticano.

Dentro da Igreja, como os últimos eventos dolorosamente estão mostrando, há "necessidade de uma purificação" a "partir do clero", enfatizou.

As sete Cartas às comunidades cristãs contidas no Livro do Apocalipse inspiraram parte da reflexão do Pregador pontifício.

Na Carta à comunidade de Esmirna sobressai-se, entre outros, o apelo à fidelidade dos sacerdotes. E observando como o termo "fidelidade" pode ser entendido na dúplice ordem de significado de "constância, perseverança", bem como de "lealdade, honestidade e retidão", ou seja, as qualidades específicas de um sacerdote, observou frei Cantalamessa. "A traição da confiança da Igreja e de Cristo, a vida dúplice, o faltar aos deveres do próprio estado, sobretudo no que concerne ao celibato e à castidade, se opõe a essa fidelidade. Sabemos por dolorosa experiência quanto dano esse tipo de infidelidade pode provocar à Igreja e às almas. Talvez seja a provação mais dura que a Igreja está atravessando neste momento".

Frei Cantalamessa explicou que na Carta à comunidade de Esmirna, bem como nas outras seis, vibra com conotações diferentes um único apelo à conversão. Na Carta aos cristãos de Laodiceia Cristo é duro, sobretudo, com os mornos na fé. E é a "falta zelo e a inércia apostólica" que "enfraquece a Igreja mais ainda do que os escândalos ocasionais de alguns sacerdotes", explicou.

"Não se deve generalizar, absolutamente: a Igreja de hoje é rica de sacerdotes santos que cumprem silenciosamente o seu dever. Em linha geral, quem conhece um pouco a história da Igreja sabe que o nível do clero de hoje é muito melhor do que de outras épocas da Igreja. Um leigo engajado me dizia com tristeza: 'A população do nosso país nos últimos 20 anos cresceu em mais de três milhões de habitantes, mas nós católicos somos a mesma quantidade de antes. Algo não está certo na Igreja'. Conhecendo aquele clero local por ter pregado ali, sabia que, de fato, algo estava errado: a preocupação de muitos deles não era o bem espiritual das pessoas, mas o dinheiro e as comodidades."

Para ajudar essa análise sem meios termos, que delineou por contraste a sobriedade de gestos e palavras que deve ser própria de um sacerdote, Frei Cantalamessa trouxe o exemplo de Santa Teresa d'Avila que, em seus escritos, confessa ter buscado conjugar forçadamente, por um certo tempo, as coisas de Deus com as coisas do mundo, condenando-se substancialmente à infelicidade. Escreveu a mística:

"Caía e me levantava, mas me levantava tão mal que voltava a cair (...) Posso dizer que a minha vida era das mais penosas que se possa imaginar, porque não me contentava com Deus nem me sentia satisfeita com o mundo. Quando me encontrava em passatempos mundanos, o pensamento da minha falta diante de Deus me fazia transcorrê-los penosamente, e quando estava com Deus os efeitos do mundo me inquietavam." Creio que muitos sacerdotes poderiam descobrir nessa análise o motivo profundo da própria insatisfação e descontentamento."

E prosseguindo com a meditação sobre outras possíveis causas de crise de uma vocação – da tentação do dinheiro à indiferença para com o bem espiritual dos fiéis, substituída pela preferência pelas comodidades – o pregador da Casa Pontifícia reconheceu às agregações de leigos aquelas capacidades de zelo que por vezes faltam aos sacerdotes.

Devemos ser "modelos do rebanho" e não os "donos da fé"; pobres como foi o Santo Cura d'Ars, destacou.

A meditação – introduzida pela citação da lamentação de Jeremias, que desiludido de seu sacerdócio escolhe inicialmente dar as costas a Deus – foi concluída pelo frade capuchinho com as palavras que o próprio Jeremias descobre dentro de si quando compreende que Deus não o abandonará se ele for capaz de converter-se. É dessa consciência, dessa solidez de fé que o Papa e a Igreja precisam nesta fase delicada e sofrida:

"O que é necessário, neste momento, é um ímpeto de esperança (...) Cristo sofre mais do que nós pela humilhação de seus sacerdotes e a aflição de sua Igreja. Se o permite é porque conhece o bem que dela pode nascer em vista de uma maior pureza da Igreja (...) O convite de Cristo "Vinde a mim todos que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei" sabemos que era dirigido em primeiro lugar aos discípulos, aos Apóstolos que havia em torno a si e, portanto, hoje a nós sacerdotes. Ele nós diz: "Vinde a mim, a mim, não a vós mesmos, aos vossos recursos. Vinde a mim e encontrareis revigoramento"."

FONTE: Canção Nova

LITURGIA DO DIA

LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura: Ez 37,21-28 - Salmo: Jr 31,10-13 - Evangelho: Jo 11,45-56

LITURGIA DIÁRIA

EVANGELHO (João 11,45-56)

Sábado, 27 de Março de 2010
5ª Semana da Quaresma

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 45muitos dos judeus que tinham ido à casa de Maria e viram o que Jesus fizera, creram nele. 46Alguns, porém, foram ter com os fariseus e contaram o que Jesus tinha feito. 47Então os sumos sacerdotes e os fariseus reuniram o Conselho e disseram: “Que faremos? Este homem realiza muitos sinais. 48Se deixamos que ele continue assim, todos vão acreditar nele, e virão os romanos e destruirão o nosso Lugar Santo e a nossa nação”.
49Um deles, chamado Caifás, sumo sacerdote em função naquele ano, disse: “Vós não entendeis nada. 50Não percebeis que é melhor um só morrer pelo povo do que perecer a nação inteira?” 51Caifás não falou isso por si mesmo. Sendo sumo sacerdote em função naquele ano, profetizou que Jesus iria morrer pela nação. 52E não só pela nação, mas também para reunir os filhos de Deus dispersos. 53A partir desse dia, as autoridades judaicas tomaram a decisão de matar Jesus.
54Por isso, Jesus não andava mais em público no meio dos judeus. Retirou-se para uma região perto do deserto, para a cidade chamada Efraim. Ali permaneceu com os seus discípulos. 55A Páscoa dos judeus estava próxima. Muita gente do campo tinha subido a Jerusalém para se purificar antes da Páscoa. 56Procuravam Jesus e, ao reunirem-se no Templo, comentavam entre si: “Que vos parece? Será que ele não vem para a festa?”


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

FONTE: Canção Nova

LITURGIA DIÁRIA - HOMILIA




UMA MORTE DECIDIDA

Postado por: Padre Pacheco

27 de março/2010

O último milagre que Jesus acaba de fazer, a ressurreição de Lázaro, foi o detonador da sua condenação à morte, pelo sinédrio, que crê já insustentável a situação religiosa que Jesus está a criar no povo, com consequente insegurança política. Segundo Caifás, segundo sacerdote naquele ano, convinha que um morresse pelo povo e que não perecesse a nação inteira.

A morte de Jesus está decidida oficialmente pela autoridade religiosa dos judeus. Mas a sua morte redentora vai ser muito fecunda, como profetizou Caifás, sem se dar conta do alcance do seu oportunismo nacionalista. Jesus morrerá não só pela nação judaica, mas também para reunir todos os filhos de Deus, dispersos pelo pecado.

A nova família eclesial de Deus não se baseará na pertença racial, como no Antigo Testamento, mas na fé em Cristo. Um só rebanho sob um só pastor, Jesus. A comunhão com Cristo, reflexo da que ele mantém com o Pai, é o núcleo de toda a comunidade cristã. Quanto mais unidos estiverem os crentes com Cristo, mais irmãos são uns dos outros.

A atitude oportunista de caifás, que o sinédrio faz sua, está na linha de querer manipular Deus e a religião conforme os próprios interesses. Isto faz-se tanto a nível institucional como individual. É uma constante histórica, verificada no caminhar da Igreja, a tentação de confundir e misturar os âmbitos religioso e político, sujeitando um ao outro alternativamente.

A Quaresma chega ao fim. Estamos preparados para celebrar a Páscoa do Senhor. Entendemos que ser Cristão tem um preço? Renovemos a nossa opção batismal? Tornamos realidade na nossa vida o lema que abria estes quarenta dias: convertei-vos e acreditais no evangelho? É a última oportunidade para uma conversão profunda de fé e de vida.

Padre Pacheco,
Comunidade Canção Nova.
FONTE: Canção Nova

SANTO DO DIA




SÃO RUPERTO

27 de março

Bispo

O santo de hoje foi um grande apóstolo da Baviera, Alemanha. A pedido do Rei, foi convidado a evangelizar a França, e fez este belo trabalho. Após ser eleito bispo, a Corte da Baviera o chamou, convidando-o também a evangelizar aquelas terras.

Juntamente com o apoio do Rei pôde ter o apoio de muitos religiosos, inclusive de sua irmã, que também era consagrada.

São Ruperto evangelizou a muitos, fazendo a Boa Nova chegar as altas autoridades, ao ponto de que o sucessor do Rei já ser evangelizado.

Antes de sua última Santa Missa, sua irmã ouviu a sua oração de entrega: “Pai, em Tuas mãos eu entrego o meu espírito”.

Em toda a sua vida, e também na morte, viveu a entrega a Deus.

São Ruperto, rogai por nós!
FONTE: Canção Nova

sexta-feira, 26 de março de 2010

CLUBE DE EVANGELIZAÇÃO - CANÇÃO NOVA




QUANDO O MEDO BATE À PORTA DO NOSSO CORAÇÃO

Quando a pessoa é tomada pelo medo, ela não consegue dar passos, não reage e o inimigo de Deus aproveita-se da situação para roubar-lhe até mesmo a fé em Jesus Cristo. Nesta semana, a missionária Salette Ferreira, que tem conduzido este grupo de oração on-line desde 2007, traz até você, internauta, um profundo momento de intercessão com o Salmo 56, que será proclamado sobre a sua vida, para que diante das situações e de pessoas que o têm atemorizado, você possa reagir dando uma resposta de confiança em Deus. Aproveite este momento para refugiar-se em Deus, que tudo pode transformar na sua vida se você se abrir a essa graça.


Olá, internautas! Mais uma vez estamos juntos nesse encontro de oração, nesse encontro de intimidade com o amor de Deus, que vence em nossas vidas. Hoje nós vamos rezar com o Salmo 56, versículo 3. Antes, eu quero lhe perguntar o que você faz quando o medo bate à porta do seu coração? O salmista nos ensina: “Meus inimigos continuamente me espezinham, são numerosos os que me fazem guerra. Ó Altíssimo, quando o terror me assalta, é em Vós que eu ponho a minha confiança. É em Deus, cuja promessa eu proclamo, sim, é em Deus que eu ponho minha esperança; nada temo: que mal me pode fazer um ser de carne?”.



O que um homem pode lhe fazer se você está em Deus? Por isso, na hora do medo, refugie-se no Senhor. Eu convido você a fazer isso: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

Senhor, como o salmista, na hora do medo, eu me refugio em Ti, o medo da doença, da morte, do assalto, o medo das pessoas que me perseguem, nessa hora, é em Ti que eu me refugio.



Eu convido você para, neste momento, mergulhar no Senhor, que está dentro de você, na presença de Deus, que invade agora o seu coração. Vá se esvaziando, diante de Deus, desse medo e desse pavor que o atormentam. Vá se refugiando n'Ele, no Senhor, que habita em você. Pois "O que pode um homem me fazer se Deus está comigo!" Diga isso. Eu creio, Senhor, que Tu estás comigo na hora dos meus medos.



Você que não dorme à noite, que não sai de casa, que vive acuado igual a um animal, talvez você esteja assim hoje, vá apresentando a Deus as situações que o assustam e causam temores dentro de você. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.



Obrigado a você, internauta, pela sua participação! Obrigada a você que nos ajuda, que constantemente contribui para que a gente continue levando a Palavra de Deus através deste meio de comunicação. Um grande abraço e que Deus o abençoe!”




Salette Ferreira
Comunidade Canção Nova

FONTE: Canção Nova

FORMAÇÃO




COMO VAI SUA AUTOESTIMA?

Identifique suas qualidades, não só seus limites

Cada um de nós possui representações mentais internas das pessoas mais importantes em nossa vida, inclusive de nós mesmos. A autorrepresentação, ou autoimagem, pode ser coerente ou distorcida. Além disso, nós trazemos uma imagem mental do que gostaríamos de ser ou do que pensamos que deveríamos ser; é o ideal de ego. A autoestima é o resultado da correspondência entre a nossa autoimagem e o nosso ideal de ego. Quanto mais achamos que estamos próximos do jeito que gostaríamos de ser, tanto mais teremos a autoestima equilibrada; de forma contrária, quanto mais estivermos frustrados com os nossos próprios objetivos e aspirações, tanto mais a nossa autoestima estará baixa.


A nossa autoimagem exerce uma grande influência em nossa vida, em nosso desempenho profissional e em nosso relacionamento interpessoal. O que pensamos a nosso respeito, a nossa autoimagem ou senso de autovalorização, influencia cada parte de nossa vida.


Aqueles que têm um bom e saudável senso de autovalorização se sentem importantes, acreditam que têm valor e irradiam esperança, alegria e confiança. Ao contrário, uma autoimagem inadequada nos tira a energia e o poder de atenção, necessários para bem nos relacionarmos com os outros; e um bom relacionamento interpessoal é fundamental em tudo o que fazemos. Nosso senso de inadequação nos impossibilita amar e dar atenção aos outros, pois nos leva a nos sentir rejeitados e incompreendidos; temos medo do que possam pensar de nós, não nos sentimos bem em grupos e não nos aceitamos como somos.


Ter uma autoimagem inadequada faz com que nos preocupemos com as opiniões, elogios ou críticas dos outros, como fatores determinantes para a nossa vida. Um senso de autovalorização muito baixo nos torna escravos da opinião dos outros e nos impede de sermos nós mesmos.


Por isso, quero convidar você para fazer um exercício neste momento e olhar para a sua imagem mental: O que você vê em si mesmo? Você está satisfeito com o que vê? Qual a visão que você tem de si mesmo quando se compara com outras pessoas?


Anote cinco pontos fortes e cinco fracos que você observa em si mesmo.


Em qual lista que você levou mais tempo para fazer as anotações? Na dos pontos fortes ou dos fracos?


Precisamos aprender a nos ver como Deus nos vê, a descobrir quem somos, a assumir o nosso valor, que vem do fato de sermos imagem e semelhança de Deus, filhos de Deus, filhos amados de Deus.

São Paulo, na sua Carta aos Romanos (Rom 12,3), nos ensina: “Pela graça que me foi dada, recomendo a cada um de vós: ninguém faça de si uma ideia muito elevada, mas tenha de si uma justa estima, de acordo com o bom senso e conforme a medida da fé que Deus deu a cada um”.


A nossa autoestima precisa ser equilibrada: nem alta, nem baixa, para que saibamos lidar com os nossos limites e fracassos, e para que tenhamos relacionamentos sadios e uma autoimagem correta, sem depreciações nem elevações. Por isso, uma autoestima equilibrada é fundamental para todos nós, filhos de Deus, para que possamos evangelizar, para que sejamos alegres e felizes em toda e qualquer circunstância.


O que fazer então para termos uma autoestima e uma autoimagem positiva e equilibrada?

Comece trabalhando a sua autovalorização, dando-se conta de que você é uma pessoa criada por Deus, imagem e semelhança de Deus, com limites e com qualidades. Você precisa entender que o seu valor não está no que você faz ou tem, está em você, no seu ser pessoa, com tudo o que você é, seu temperamento, seus dons e talentos.


Procure identificar quais são as suas qualidades e não só os seus limites. Aprender a lidar com os nossos limites, entender que ninguém é perfeito, que todos nós temos limitações e qualidades, é fundamental para uma autoestima e uma autoimagem equilibrada. Aprenda a não se cobrar tanto, e a não cobrar do outro também. Aprenda a se aceitar como você é. Nesse processo, aprender com as experiências vividas, com os erros e fracassos é fundamental. De tudo o que vivemos, precisamos tirar um lado positivo, uma aprendizagem, assim, nada passa em vão, tudo tem o seu devido proveito.


Atividades físicas, fazer coisas simples no seu cotidiano que você gosta, ter um tempinho para cuidar de si mesmo, do seu corpo e de sua saúde, também favorecem a autoestima.


Concluindo: para se ter uma autoestima equilibrada o mais importante é termos uma correta autovalorização, sabendo lidar com os nossos limites e fracassos. Como há um bom caminho pela frente a seguir, para trabalharmos em nós mesmos, coloquemo-nos a caminho. O colocar-se a caminho já é uma atitude que faz crescer a autoestima e, aos poucos, dia após dia, num processo que, às vezes, é lento, mas que precisa ser contínuo, vamos atingindo a justa estima de nós mesmos.






Manuela Melo
psicologia@cancaonova.com
Missionária da Comunidade Canção Nova, formada em Psicologia, com especialização em Logoterapia e MBA em Gestão de Recursos Humanos.

FONTE: Canção Nova

HOME - PAPA BENTO XVI - MENSAGEM




CRISTÃOS DEVEM SER SINAIS DE ESPERANÇA, DIZ BENTO XVI

"Os cristãos devem aprender a oferecer sinais de esperança e a tornarem-se irmãos universais", pediu o Papa Bento XVI na mensagem para o 84º Dia Mundial das Missões, divulgada nesta quinta-feira, 25, no Vaticano. O Santo Padre destacou que diante da sociedade que experimenta tantas formas de solidão e de indiferença, os cristãos precisam cultivar os "grandes ideais que transformam a história e, sem falsas ilusões ou medos inúteis, comprometer-se a fazer o planeta a casa de todos os povos".


Na mensagem, o Papa destacou ainda o "mandato missionário que não se pode realizar de maneira credível sem um profunda conversão pessoal, comunitária e pastoral". "Os homens de nosso tempo, embora nem sempre conscientemente, pedem aos crentes não apenas para 'falar' de Jesus, mas 'fazer ver' Jesus, fazer resplandecer o Rosto do Redentor em todos os cantos da terra, frente às gerações do novo milênio e, especialmente, frente aos jovens de todos os continentes, destinatários privilegiados e sujeitos do anúncio evangélico".

"Eles devem perceber que os cristãos carregam a palavra de Cristo porque Ele é a Verdade, porque encontraram n'Ele o sentido, a verdade para a própria vida", enfatizou Bento XVI.

O Papa explicou também como despertar a cooperação missionária entre as Igrejas. "De fato, a consciência do chamado a proclamar o Evangelho estimula não apenas o fiel individual, mas todas as comunidades diocesanas e paroquiais a uma renovação integral e a se abrir cada vez mais à cooperação missionária entre as Igrejas, para promover o anúncio do Evangelho no coração de toda a pessoa, de todo o povo, cultura, raça, nacionalidade, em qualquer nível. Essa consciência se alimenta através do trabalho dos Sacerdotes Fidei Donum, dos consagrados, dos catequistas, dos Leigos missionários, em uma busca constante de promover a comunhão eclesial, de modo que também o fenômeno da 'interculturalidade' possa se integrar em um modelo de unidade, no qual o Evangelho seja fermento de liberdade e progresso, fonte de fraternidade, de humildade e de paz".

O Dia Mundial das Missões, este ano, será celebrado no dia 24 de outubro, com o tema "a construção da comunhão eclesial é a chave da missão".


FONTE: Canção Nova

LITURGIA DO DIA

LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura: Jr 20,10-13 - Salmo: Sl 17 - Evangelho: Jo 10,31-42

LITURGIA DIÁRIA

EVANGELHO (João 10,31-42)

Sexta-Feira, 26 de Março de 2010
5ª Semana da Quaresma

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 31os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. 32E ele lhes disse: “Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?”
33Os judeus responderam: “Não queremos te apedrejar por causa das obras boas, mas por causa de blasfêmia, porque sendo apenas um homem, tu te fazes Deus!” 34Jesus disse: “Acaso não está escrito na vossa Lei: ‘Eu disse: vós sois deuses’?
35Ora, ninguém pode anular a Escritura: se a Lei chama deuses as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus, 36por que então me acusais de blasfêmia, quando eu digo que sou Filho de Deus, eu a quem o Pai consagrou e enviou ao mundo? 37Se não faço as obras do meu Pai, não acre¬diteis em mim. 38Mas, se eu as faço, mesmo que não queirais acreditar em mim, acreditai nas minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em mim e eu no Pai”.
39Outra vez procuravam prender Jesus, mas ele escapou das mãos deles. 40Jesus passou para o outro lado do Jordão, e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado. E permaneceu ali. 41Muitos foram ter com ele, e diziam: “João não realizou nenhum sinal, mas tudo o que ele disse a respeito deste homem, é verdade”. 42E muitos, ali, acreditaram nele.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

FONTE: Canção Nova

LITURGIA DIÁRIA - HOMILIA




"ACREDITAI NAS MINHAS OBRAS"

Postado por Padre Pacheco

26 de março

Durante a festa da dedicação do templo os judeus perguntaram diretamente a Jesus: “Se tu és o Messias, diga-nos abertamente. Ele respondeu-lhes: Já vos disse, mas não acreditais”. Como contexto contínuo ao Evangelho de hoje, Cristo acaba de afirmar: “O Pai e eu somos um”. Então os judeus agarraram pedras para apedrejá-Lo por blasfêmia, porque, sendo um homem, se fazia igual a Deus. E era-o. “A quem o Pai consagrou e enviou ao mundo, dizeis vós que blasfema por que diz que é o filho de Deus? Se não faço as obras de meu Pai, não me acrediteis; mas se as faço, embora não acrediteis em mim, acreditai nas obras, para compreenderdes e saberdes que o Pai está em mim e eu no Pai”. Como eles tentaram novamente deter o Senhor, Ele foi para o outro lado do Jordão, para o local onde antes João havia realizado batizados. Não obstante, o texto evangélico acaba dizendo que “muitos acreditaram nele ali”.

Por que foi rejeitado Cristo pelo povo judeu se era a Pessoa mais amável e encantadora que se podia imaginar? É a pergunta que Ele faz aos judeus: “ Fiz-vos muitas obras boas por ordem de meu Pai. Por qual delas me apedrejais?”

Por que é rejeitado Jesus, por que o foi o profeta Jeremias, por que o é o cristão que quer viver segundo o Evangelho? Mistério difícil de explicar. Muitas razões poderiam ser apontadas. Vamos destacar uma que resume todas as muitas outras: porque se rejeita a verdade, que costuma se tornar incômoda, como juízo implacável que é das nossas falhas e erros. Por falta de humildade e sobra de orgulho rejeitamos a verdade, que deixa à mostra a nossa inata maldade e nosso proceder egoísta.

Para rejeição de Cristo contou também o mistério e escândalo da Palavra de Deus feito carne, isto é, debilidade humana. A humanidade de Cristo, em tudo igual à nossa exceto no pecado, era e é grande obstáculo para ver a sua divindade e a glória do Unigênito do Pai. Se bem que as Suas obras, a Sua vida e a Sua conduta revelassem a origem divina, somente através dos olhos da fé, que é dom de Deus e não conclusão forçada de argumentos e raciocínios, se podia e se pode entender o mistério e a Pessoa de Cristo.

Padre Pacheco
Comunidade Canção Nova
FONTE: Canção Nova

SANTO DO DIA




SÃO BRÁULIO

26 de março

Bispo

O santo de hoje, foi um bispo de 631 a 651.
Ele nasceu em uma família muito sensível à vontade do Senhor: uma irmã foi para a vida religiosa e tornou-se abadessa. Outro irmão foi para uma Abadia e outro, chegou a Bispo.

Depois de entrar para a vida de oração e contemplação numa abadia, Bráulio conheceu em Sevilha Santo Isidoro, escritor e santo.

Fecundo escritor e grande pastor, São Bráulio foi escolhido para Bispo em Saragoça., participando ativamente em 3 Concílios de Toledo.

São Bráulio, rogai por nós!
FONTE: Canção Nova

quinta-feira, 25 de março de 2010

CLUBE DE EVANGELIZAÇÃO - CANÇÃO NOVA

NADA SE PERDE, TUDO SE TRANSFORMA EM EVANGELIZAÇÃO

O missionário Filipe Jardim, casado e pai de três filhas, experimenta diariamente a graça de viver da Divina Providência na Comunidade Canção Nova. Nesta semana, ele traz aos internautas mais uma opção para que possam contribuir com a evangelização. O cupom fiscal, recebido em cada compra efetuada, também é um meio eficaz de evangelizar. Saiba como ajudar e seja você também um sócio evangelizador junto com esta obra.






FILIPE JARDIM

Ouça.: Filipe Jardim traz mais uma opção para você ajudar a CN evangelizar


"Olá, internauta! É com imensa alegria que estamos aqui hoje para levar a você esta maneira que surgiu para nos ajudar a evangelizar: o cupom fiscal. Com a sua Nota Fiscal Paulista, você pode ajudar a Canção Nova a chegar aos 100% do Projeto Dai-me Almas mensalmente.



Quando você compra um produto, recebe um cupom fiscal. Você sabia que com ele é possível salvar muitas almas? Se você comprou algo e deseja ajudar a Canção Nova, envie seu cupom para nós, pois a Canção Nova fez um cadastro na Secretaria da Fazenda para receber a restituição da porcentagem daquilo que você adquiriu, porque a lei permite que as instituições façam isso.



Se você pode ajudar essa obra de Deus desta maneira, ajude-a! Você que compra todos os dias algum produto, até mesmo na padaria, quando você compra o seu pãozinho, peça o cupom fiscal. Você pode fazer isso no supermercado, na farmácia, em uma loja onde for comprar um presente. Em todos esses lugares, as pessoas lhe darão o cupom fiscal. Se você quer nos ajudar, envie-o para a Canção Nova aos cuidados do Clube da Evangelização, onde existem pessoas todos os dias trabalhando para que, cada vez mais, você nos ajude a alcançar a meta da evangelização.



Contamos com a ajuda de todos, uma família grande precisa sempre trabalhar unida. Para que possamos ter a evangelização chegando aos corações aonde ela ainda não chegou, esta é mais uma forma.

Se você quer ajudar, envie o seu cupom fiscal para esta obra de Deus.



E você, internauta, que está sempre conosco, acompanhando, entrando em todos os meios de comunicação da Canção Nova, eu quero agradecer de coração! Deus lhe pague por toda a ajuda que você dá à Canção Nova!".


Filipe Jardim - Comunidade Canção Nova

FONTE: Canção Nova

SORRINDO PRA VIDA

A HUMILDADE NOS ENSINA A SOFRER COM SABEDORIA E ELEGÂNCIA

Mensagem do missionário Márcio Mendes no programa "Sorrindo pra Vida" da TV Canção Nova, nesta quinta-feira, dia 25 de março de 2010.



Eu quero convidar você para abrir a Palavra de Deus em I São Pedro 5,5b11.





Márcio Mendes no programa Sorrindo pra Vida

'Todos vós, em vosso mútuo tratamento, revesti-vos de humildade.' A Palavra de Deus nos ensina como dar qualidade a nossa vida. Quer saber como viver bem dentro de casa? Por melhores que sejam os nossos familiares, o segredo da boa convivência está aqui: "Revesti-vos todos de humildade, porque onde se tem humildade, Deus está presente".



Quando a nossa oração é feita de palavras soberbas, Deus não nos ouve, porque Ele não entende esta língua. O Senhor quis falar comigo e com você, por isso Ele se fez homem; pois, sendo homem, Ele pode falar uma linguagem que nós entendemos. O amor que Ele tem por mim e por você e o desejo de nos ensinar o caminho da verdade foi tão grande que Ele aprendeu a falar a nossa língua para falar ao nosso coração e nos ensinar o caminho da verdade.



Deus nos ouve quando somos humildes; e se o somos, nos relacionamentos bem com as pessoas. Então, Deus entra naquele relacionamento. "Humilhai-vos sob a poderosa mão de Deus para que, na hora oportuna, Ele vos exalte." Existe uma hora oportuna e essa hora vai chegar para você. Mas enquanto você espera, seja humilde debaixo da mão de Deus, para que Ele leve você com Sua mão poderosa pelo caminho seguro.



A mão divina não nos constrange, não nos obriga. Quem é que vai onde Deus quer levar? Quem, com humildade se deixa governar. Deus quer que sejamos humildes para o nosso próprio bem. Nós buscamos a glória de Deus e Ele busca a glória de seus filhos. A Palavra nos diz que Ele nos glorificará. Isso é amor!



Enquanto essa hora boa não chega, a Palavra nos ensina o que fazer, porque, enquanto não vemos o que esperamos, nos preocupamos. Mas quem é que consegue não se preocupar? A melhor coisa, então, é lançar sobre Ele as nossas preocupações, com uma única certeza no nosso coração: é Deus quem cuida de nós.



Entregue ao Senhor todas as suas preocupações, porque é Ele quem tem cuidado de você. Seja sóbrio e vigilante, porque você está debaixo de ataques e nem todos os que o cercam são seus amigos. Mas, sobretudo, há um inimigo que ruge e que o ronda, procurando consumir a sua fé. Resista, seja firme.



Você não está sozinho nesta luta. Deus ouve as suas orações. Ele olha para nós como filhos que estão sofrendo e nos diz: "O Deus de toda graça, que vos chamou em Cristo à sua eterna glória, depois que tiverdes padecido um pouco, vos aperfeiçoará, vos tornará inabaláveis, vos fortificará".



O que você e eu precisamos saber é que não importa o quanto tenhamos sido abatidos e fragilizados, o Senhor nos restabelecerá e nos tornará firmes, fortes e seguros. Ele está nos dizendo que nos restabelecerá por um ânimo alegre. Então anime-se, seja alegre, deixa Deus dar o remédio que você precisa, porque em uma pessoa animada Deus faz brotar a saúde para o corpo. Agora, entregar-se ao abatimento faz secar os nossos ossos.



Se o espírito se abate, quem sustentará o corpo? Se você deixar a tentação roubar a sua alegria, quem é que vai sustentar o seu corpo? Agora, nós somos facilmente abatidos quando não somos humildes, porque a pessoa orgulhosa se quebra facilmente. A pessoa que não é humilde não se verga, e porque não se verga, ela se quebra. É a humildade nos nossos relacionamentos que nos dá a graça de enfrentarmos com sabedoria e elegância os tempos de sofrimentos que enfrentamos.



Sem humildade a pessoa não permanece de pé. O humilde pode se curvar, abaixar-se, mas facilmente ele se põe de pé. "Revista-se de humildade nos relacionamentos com seus irmãos, porque nós não somos senhores das nossas sensibilidades, das atrações e repulsas que temos e que estão nas profundezas do nosso coração. Quantas vezes nos atraímos pelo perigo? Mas com o perigo não se brinca. Seja humilhe diante da mão poderosa de Deus. Isso é ter a garantia de estar no caminho seguro.



Márcio Mendes
Comunidade Canção Nova

Transcrição e adaptação: Célia Grego

FONTE: Canção Nova