quinta-feira, 10 de novembro de 2011

PALAVRA DO DIA

                                              VIDA NOVA  NO ESPÍRITO


"Borrifarei água sobre vós e ficareis puros; sim, purificar-vos-ei de todas as vossas imundices e de todos os vossos ídolos imundos. Dar-vos-ei coração novo, porei no vosso íntimo o meu espírito e farei com que andeis de acordo com os meus estatutos e guardeis as minhas normas e as pratiqueis.
                                                                         (Ez 36, 25-27)

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

EM DIA COM A CANÇÃO NOVA - PADRE JOSÉ AUGUSTO







                              ACREDITAR NA AUTORIDADE DO SACERDOTE






Eu quero pedir perdão a vocês pelos pecados de nós sacerdotes, pelas vezes que esperaram tanto de nós e não conseguimos corresponder. Nós sacerdotes deveríamos não falhar nunca, em nada assim também como vocês, mas como nós padres estamos em evidência, acabamos sendo muito cobrados.

Nós padres temos a autoridade de interpretarmos a Sagrada Escritura. O Papa junto com os bispos e sacerdotes quando interpretam a Sagrada Escritura é a Palavra de Deus que está sendo proclamada, mesmo que um leigo fale muito bonito é a Igreja em seu magistério que tem a autoridade de proclamar.

“Os mestres da Lei e os fariseus têm autoridade para interpretar a Lei de Moisés. Por isso, deveis fazer e observar tudo o que eles dizem. Mas não imiteis suas ações! Pois eles falam e não praticam.” (Mt 23,2b-3 )

Quando vezes eu falo para vocês perdoarem e eu mesmo não perdoei. Façam o que eu digo, mas não façam o que eu faço. Pois embora estejamos falando, nós padres também estamos lutando pela santidade. Nós não somos anjos, você não vai encontrar um sacerdote que você dê um beliscão e ele ficará sorrindo para você, somos homens de carne e osso. 


Jesus diz, “faça o que eles dizem, mas as ações más deles não imitem”, não fique com raiva dos sacerdotes pelos seus erros, se quiser chame-o para conversar, mas não abandone a Igreja por causa disso. Tem muitos que não vão a Eucaristia porque dizem: “mas aquele padre”. Jesus não escolheu São Rafael para consagrar, Ele escolheu homens.

Quando as pessoas se confessam com os padres, eles não contam os pecados para os outros e porque vocês se acham no direito de ficar espalhando o pecado dos padres? Também não temos o direito de pecar, mas é a Deus que prestaremos contas.

É um erro vocês abandonarem a Santa Igreja por causa dos pecados dos padres. Toda a autoridade foi dada a Jesus e no evangelho de Mateus Ele disse “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” Mesmo com os defeitos de Pedro, Jesus deu a ele toda a autoridade.

Vocês não podem confundir a autoridade sacerdotal com os defeitos dos padres. Muita gente abandonou a igreja depois de descobrir os defeitos dos padres, agora eu te falo, seu pai é cheio de defeitos, mude de pai então? As pessoas acham que por causa de um defeito pode mudar de igreja. Não! Jesus disse: “Essa é a minha Igreja”.

Jesus já nos alertou os defeitos que iríamos ter, mas mesmo com os defeitos dos fariseus e mestres da lei, Ele não tirou a autoridades deles “Façam o que eles dizem, mas não imitem suas ações.” O Papa Bento XVI já pediu e agora eu, mísero padre, peço perdão a vocês. Agora o que não pode é os leigos quererem tirar a autoridade do padre.

Deixem de colocar na internet os nossos defeitos, coloquem nossas qualidades, aquilo que nós, padres, fazemos de bom, pois é isso que as pessoas precisam ver.

Continuem acreditando que a Igreja é santa, mas não saiam da Igreja pelo defeitos de um padre. Não se troca um pai e uma mãe pelos seus defeitos. Se ninguém troca de pai e mãe pelos defeitos, também ninguém troque de Igreja.

Rezem pelos padres, essa é a melhor forma de amar um sacerdote. A missa da paróquia é essencial para você. Se a missa na TV e na paróquia forem no mesmo horário, vá para missa na sua paróquia, se puder grave e assista depois, mas a missa na qual você deve participar é a missa da sua paróquia.

Transcrição e adaptação: Regiane Calixto

--------------------------------------------------------------

Padre José Augusto 
Padre da Comunidade Canção Nova

Fonte: Canção Nova 

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

HOMENAGEM

                                       CRISTO REDENTOR - 80 ANOS DE BRASIL


http://multimedia.odiaonline.net/cristo/cristo-360/

MENSAGEM DO DIA

           




                                                 O AMOR CAUSA DOR


                                  O melhor remédio para a dor do Amor é o próprio Amor


Coisa excelente e muito santa é pensar e meditar sobre a paixão do Senhor; pois por este caminho chegamos à união com Deus. Nesta escola tão santa, aprende-se a verdadeira sabedoria; foi aí que todos os santos a estudaram. Quando, pois, a cruz de nosso bom Jesus lançar raízes mais profundas em nosso coração, então cataremos: "Sofrer e não morrer" ou: "Ou sofrer ou morrer", ou ainda melhor: "Nem sofrer nem morrer; apenas a perfeita conversão à vontade de Deus".


O Amor é força de união e faz seus os tormentos do Bem muito amado. Este fogo vai até à medula, muda o que ama no amado; de modo mais profundo o Amor se mistura à dor e a dor ao Amor; há então uma mistura de Amor e de dor tão estreita que não se pode separar o Amor da dor, nem a dor, do Amor. Por isto, quem ama se alegra com a sua dor, e exulta em seu Amor sofredor.


Sejamos, portanto, constantes na prática de todas as virtudes, imitando de modo particular, o suave Jesus padecente, porque é isto o cume do puro Amor. Procuremos proceder de modo que todos possam reconhecer que trazemos não só interior, mas ainda exteriormente a imagem de Cristo crucificado, modelo de toda a doçura e mansidão. Quem está interiormente unido ao filho do Deus vivo, revela no exterior sua imagem pelo contínuo exercício da virtude heróica, principalmente pela paciência cheia de força que nem em segredo nem em júbilo se queixa. Portanto, escondei-nos em Jesus crucificado, sem desejar coisa alguma.


Como verdadeiros amigos do Crucificado, celebremos sempre no templo interior a festa da cruz, suportando em silêncio sem nos apoiar em criatura alguma; uma festa deve ser celebrada na alegria, por isso os que amam o Crucificado irão à festa da cruz com o rosto jovial e sereno, suportando calado, de forma que permaneça oculta aos homens, só conhecida pelo sumo Bem. Numa festa há sempre banquete, as iguarias são a vontade Divina, a exemplo de nosso Amor crucificado.
                                         (das cartas de São Paulo da Cruz)


Deus seja louvado e adorado!


Carlos - Comunidade Católica Pedras Vivas

terça-feira, 18 de outubro de 2011

NOSSA MISSÃO É EVANGELIZAR







                                    SOMOS CHAMADOS A SERVIR AO REINO




                                                  Somos vocacionados do Pai


Em sua missão de vir ao mundo como um de nós, Jesus trouxe em sua bagagem um pedido do Pai: "Vai, e anuncia o Reino dos céus até os confins da terra". Nem precisamos citar essa passagem bíblica, pois é-nos conhecida por ser primeira missão de Jesus. Anunciar o Reino dos céus está inserido no projeto da salvação, pois foi para isso que a Palavra se tornou carne e habitou entre nós.


Diante desta realidade, refletir nos evangelhos torna-se necessário para compreendermos a missão salvífica de Jesus, onde Ele mesmo foi escolhendo em sua caminhada, aqueles que seriam os seus discípulos e apóstolos. É também necessário, voltarmos aos Evangelhos e perceber que Jesus tinha um critério pessoal para escolher aqueles que seriam os arautos da Palavra: eram sempre aqueles rejeitados pela sociedade e tidos como os piores homens da região: iletrados, incultos, maus pescadores, cobradores de impostos e até ladrões.


Seriam esses os melhores para Jesus? Porque Jesus não escolhia os doutores da lei; os sacerdotes e os mais ilustres homens da época? O Reino de Deus não tem lógica para nós! É impossível buscar em nossa razão a forma com que Deus vive o Seu Reino. 


Escolhidos os seus homens de confiança, Jesus foi mostrando e revelando a todos como seria o novo Reino. Os discípulos seguiam a Jesus, comiam com Ele; dormiam no mesmo lugar; caminhavam por toda a região da Galileia e Judeia, Samaria e Jerusalém. Mas os discípulos não conseguiam ver naquele homem mais do que um bom mestre. Como era difícil perceber a Divindade em Jesus!


Jesus foi conseguindo no dia a dia de caminhada com os discípulos, ensiná-los e capacitá-los para continuarem a missão, tão logo fosse consumado a sua paixão e morte na cruz. Jesus sabia que chegaria o momento em que os discípulos teriam que seguir com a missão de viverem, ensinarem e pregarem o Evangelho, assim como Ele próprio havia feito. Jesus foi preparando minunciosamente tudo que era necessário para que nada fosse perdido.


Tudo consumado, numa das Suas últimas aparições aos discípulos, Jesus ordenou que todos se reunissem no mesmo lugar de costume(Cenáculo), para que fosse enviado a eles o Bem maior prometido pelo Pai,  a todos aqueles que O seguissem até o fim. Todos sabemos que se trata do Espírito Santo. Naquele momento em que os discípulos recebiam o Batismo do Espírito Santo, nascia a Igreja Apostólica. E neste momento, todos estavam sendo santificados e preparados para continuarem a missão de Jesus.


Essa é a Igreja de hoje! Não existe outro sentido que não seja a nossa santificação e nos capacitar a servi-la através da nossa santidade de vida. Todos nós batizados pelo mesmo Espírito Santo, somos convidados a aprender com os discípulos, Apóstolos e os santos da Igreja, afim de colocar tudo a serviço do anuncio do Reino de Deus. Nossa missão de cristãos começa no batismo. Somos a igreja instituída pode Jesus e iniciada pelos Apóstolos no Cenáculo, juntamente com Maria que continua a nos guiar até os dias de hoje.


Portanto, não podemos ser apenas ouvintes da Palavra, mas torná-Las como carne da nossa carne e corpo do nosso corpo, pois somente assim nos tornamos aqueles escolhidos para anunciar o Reino de Amor. Seja como homens e mulheres em qualquer situação de vida. O que Deus vê é somente a intenção do nosso coração, e vendo a nossa inteira disponibilidade nos dá a sublime missão. 


Que sejamos corajosos em abrir largamente os nossos corações para Jesus, assim como a nossa mãe e mestra abriu. Assim, como cada discípulo e Apóstolo também aderiram ao projeto de salvação.


Deus seja louvado e adorado!!


Carlos - Comunidade Católica Pedras Vivas

















segunda-feira, 17 de outubro de 2011

DIA A DIA

               



                      QUEM VERDADEIRAMENTE SOFRE COM A SEPARAÇÃO DOS PAIS?
                             
                                Somente quem passa pela experiência da separação tem a resposta


Temos vivido nas últimas décadas, um fenômeno que podemos chamar de caminho mais simples para resolver os problemas referentes ao relacionamento dos casais unidos pelo Sacramento do Matrimônio, e porque não dizer, até pelos casais unidos apenas de fato, sem nenhum vínculo civil ou religioso.

De acordo com as pesquisas realizadas pelos institutos especializados, o número de separações e divórcios tem aumentado sistematicamente a cada ano, tanto no Brasil, como no resto do mundo. Virou uma epidemia sem precedentes o divórcio entre os casais. A separação virou o meio mais fácil para resolver os problemas conjugais, pois o Sacramento está sendo banalizado pelos casais. 

Onde está o valor do Sacramento? Onde Deus entra na história dos casais casados sob o juramento e a promessa de fidelidade até que a morte os separe? Se tivermos a consciência cristã, sabemos que nos "sete" Sacramentos da Igreja Católica Apostólica Romana, Jesus é presença viva. Os sacramentos não são simples lembrança de Deus em nossa história, mas em cada um deles Deus se faz presente, vivo! Podemos dizer com fé e esperança que os Sacramentos foram instituídos pela Igreja para Jesus ter vida aqui entre nós.

Parece exagero colocar nos Sacramentos essa grandeza Divina, mas é verdade absoluta! Deus se faz presente nos Sacramentos da Igreja, e podemos afirmar que Ele está tão presente, que os casais poderiam colocar sobre o leito nupcial, ao invés dos dois travesseiros tradicionais, mais um para que Deus possa deitar e se deleitar com todos os momentos de Amor e prazer do casal.  

Portanto, desejamos aprofundar a reflexão sobre as sequelas deixadas pela separação e divórcio dos casais constituídos em família, no caso específico: pais e filhos. Diante de uma realidade tão real nos dias de hoje, filhos de pais separados são comuns em qualquer lugar que estivermos, e podemos perceber o quanto são diferentes dos filhos que ainda convivem com os pais no dia a dia.

Para Deus e para os filhos, uma família é constituída de pai e mãe, sempre juntos em casa. Quando se quebra esse vínculo, para Deus e para os filhos fica faltando alguma coisa muito importante. No caso dos filhos, não é normal aceitarem a separação dos pais, assim como para o casal isso é uma coisa normal e até natural. Os pais se conheceram pelo caminho da vida,  somente se unirão como uma só carne através da fé. Para os filhos, esses estão intimamente ligados aos pais desde a suas gestações. Tornam-se inseparáveis, pois os laços não são invisíveis, mas correm nas veias em forma sangue.

Encontramos em nossas missões, crianças e adolescentes que passam por essa experiência de separação dos pais, e podemos perceber o quanto são bombardeadas por todos os lados, tanto pelos pais, como pelas mães, pois eles passam a ser instrumentos de uso para a guerra do desamor, do ódio, do ressentimento e das mágoas. 

Concluímos que são os filhos os mais afetados pelo divórcio e separação dos pais. São eles que pagam pela impaciência e desamor. São eles usados como escudo e como espada. São eles que precisamos cuidar, pois o mundo precisa dos filhos que conseguem viver como família, mesmo não estando os pais unidos debaixo do mesmo teto. São eles que precisam experimentar o Amor, pois onde existe o Amor, Deus renova e ordena tudo que não compreendemos.

Suplicamos a Deus Pai das Misericórdias e da união, que nos ensine e nos capacite a cuidar dos seus filhos espalhados pelo mundo, onde a alegria da família foi apagada pela dor dos pais em desunião.

Deus seja louvado e adorado!!

Carlos - Comunidade Católica Pedras Vivas


                                           

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

DIA A DIA

                           




                           PORQUE SEMPRE PROCURAMOS O CAMINHO MAIS FÁCIL?


                              Nossos sofrimentos do dia a dia nos levam a buscar o meios fáceis




Quando Jesus nos convida a deixar o nosso fardo e carregar o Dele, a primeira coisa que nos vem na mente é aquela velha máxima de ser uma cruz. E que cruz! A cruz supõe mais sofrimento e até a morte, pois não conseguimos imaginar outra coisa que não seja isso. Em nossa vida parece que a nossa cruz é pesada demais e não conseguimos carregá-la, por isso, imaginamos ser impossível carregar a cruz de Cristo.


Este convite que Jesus nos faz, tem nele algo escondido aos nossos olhos, pois como pode ser melhor a cruz da morte, melhor do que a cruz da nossa vida? Aí está parte do mistério da cruz, pois carregando o nosso fardo, somos induzidos a procurar os meios mais fáceis e mais rápidos para resolver os nossos problemas, e nisso está a nossa esperança. Não acreditamos em outra coisa que não resolva logo os nossos sofrimentos, nossas dores e nossos problemas. Queremos um milagre imediato!


No cotidiano da nossa vida acontece de tudo; cada dia é uma nova experiência de vida e sempre estaremos correndo o risco de passar por situações inéditas e também por situações rotineiras. Mas, o que pesa para nós são o peso que cada situação vem nos atingir. Em muitos casos, estaremos preparados para suportar e até resolver, mas na maioria das vezes, somos pegos de surpresa. 


No entanto, o convite que Jesus nos faz para deixar a nossa cruz e carregar a Dele, vem contradizer ao nosso desejo de viver esta vida sem carregar peso algum. Queremos sempre os meios mais fáceis para seguir o nosso caminho, resolver os nossos problemas e curar as nossas feridas. Então, que cruz é essa? A
fé enraizada em cada um de nós, depositada pelas mãos do Senhor Deus, nos dá uma capacidade de compreender o que deseja mostrar Jesus através deste convite, pois a Cruz não representa a morte, mas a vitória sobre a morte... representa a vida!


Bendita cruz, podemos assim dizer, pois aquilo que nossos olhos viram, ou seja, a morte na cruz, Deus transformou em vida. Esse é o mistério escondido na cruz: nela está a nossa vida! Nela não está o caminho mais fácil, mas o Caminho que nos levará à plenitude da vida! Temos medo do peso da cruz, porque não conseguimos imaginar que Jesus estará carregando conosco. Não se trata de imaginações, mas de uma realidade palpável, onde seguir Jesus em sua radicalidade evangélica, é carregar a cruz da vida, onde morrer para as coisas do mundo e das suas delícias, torna-nos capazes de compreender esse Caminho.


A cruz é vida, apesar de supor a morte! A cruz não é apenas dois pedaços de madeira, uma haste, mas um projeto de salvação, onde cada um de nós precisa buscar com nosso entendimento, nossa inteligência e com todas as nossas forças para compreender qual o desejo de Deus escondido na cruz. Portanto, não tenhamos medo do chamado de Jesus a seguir o Seu Caminho, a andar em Suas pegadas, pois mesmo se acharmos ser um caminho difícil, é o mais perfeito e mais seguro, pois nos levará onde está o verdadeiro sentido da nossa vida. Como diz São Paulo: "Vocês estão mortos e a sua vida está escondida com Cristo, em Deus." (Cl 3,3)


Queridos amigos e irmãos, esta é uma partilha onde tentamos mostrar que o caminho fácil nos leva a tentar resolver os nossos problemas, mas o Caminho que Jesus nos convida é para aprendermos a amar e a suportar todas as nossas dificuldades, pois elas serão tantas em nossa vida. Enquanto estivermos vivendo, jamais estaremos imunes de sofrimentos e dificuldades, mas a nossa esperança está na cruz de Cristo, onde carregar é fazer a vontade do Pai, assim como fez Jesus!


Um abraço cheio da ternura de Cristo!


Deus seja louvado e adorado!!!


Carlos - Comunidade Católica Pedras Vivas



quinta-feira, 29 de setembro de 2011

FORMAÇÃO







                                                  PRECISAMOS APRENDER A CONVIVER


                                                  Os princípios morais são aprendidos na família



O comportamento humano é bastante imprevisível. Ora se conduz pela razão, ora pelos sentimentos, ou até pelas paixões e maus instintos. Com tal variedade de reações, apresenta-se como ser equilibrado num tempo, mas logo depois pode entrar em cena como um ser profundamente desequilibrado e dominado por paixões. E o que é pior: pode ser levado para a maldade e para atos absolutamente indignos de um filho de Deus.

Lembremos apenas alguns exemplos: Assustar um tranquilo motorista com um buzinaço; dar carne misturada com vidro a um cachorro; gritar assustadoramente com uma criança porque quebrou um brinquedo; torturar física ou psicologicamente um semelhante; abandonar um faminto à sua sorte; dar orientações falsas para um perdido na estrada. Isso é ser mau. É deliciar-se com o malfeito. É rir da desgraça dos outros. Mostra que a pessoa não sabe que temos um Pai, que ama a todos os Seus filhos e filhas. Esqueceu um princípio primordial de Jesus: “Não faça aos outros o que não quer que lhe façam”.

A convivência humana precisa ser aprendida, antes de tudo, na família. É lá que, desde criança, a raça humana deve aprender a conviver. Certos princípios morais, caso não sejam aprendidos no lar, jamais serão aprendidos no decorrer da vida. É por isso que dizemos de pessoa honesta e bem formada: “ela tem berço”. É muito bom ter pais que ensinam: Não faça os outros sofrer; não deve roubar nada do que pertence aos outros; não engane o semelhante; seja sempre uma pessoa asseada; pague as suas dívidas; procure colaborar com as pessoas boas...

Nos dias atuais, mesmo em meio a dificuldades conhecidas, a escola deve ajudar nesta formação humana. Mas não podemos deixar de seguir o Mestre por excelência. “Ele passou pela vida fazendo o bem”. A motivação religiosa costuma ser uma das inspirações mais fortes que podem existir. Basta olhar para Ele, ver Seu exemplo de não prejudicar ninguém, sobretudo, Seus gestos positivos em favor de todos, para nos convencermos de que este é o caminho da felicidade.
Dom Aloísio R Oppermann scj - Arcebispo de Uberaba

Fonte: Canção Nova



quarta-feira, 28 de setembro de 2011

RECEITA DO DIA

                                  O QUE FAZER PARA PASSAR BEM O DIA DE HOJE?


Abrir o coração; sorrir; dar um forte e caloroso abraço a quem menos esperar e depois olhar-se no espelho!




FORMAÇÃO

             


                                                       A FORÇA DO INTERCESSOR


                                           
                             Moisés não ora por si, mas pelos outros


Em nosso batismo fomos feitos sacerdotes, capazes de oferecer a Deus sacrifícios agradáveis, também em favor dos outros. Quantas situações nos são apresentadas diante dos olhos e intimidam nosso coração a uma atitude em favor de alguém ou de algo? Será que aí não estão uma escolha e um convite do Espírito Santo para interceder?

Foi Deus quem chamou Moisés, e agora também nos chama de um lugar que arde, mas que não é a sarça. Chama-nos em nosso coração e abrasa-o com Seu Espírito Santo a fim de enviar-nos, para partilhar de Sua compaixão com os que sofrem, para colaborar em Sua obra de salvação.
Deus está vivo e quer contar com homens e mulheres que estejam dispostos a levar a vida que Ele tem e dá àqueles que se perderam.Todos os que amam sinceramente a Deus não cessam de rezar pelos pobres pecadores.
Diz a Sagrada Escritura que Deus falava com Moisés face a face como um homem fala com o outro (cf. Ex 33,11). Só quem é capaz de gastar seu tempo na presença do Senhor pode experimentar a força da oração intercessora e ver o Seu poder.
Um Deus cheio de misericórdia e amor ensinou Moisés, na intimidade, que é preciso ter um coração generoso, lento para a cólera, pronto para amar e fazer o bem. Foi nessa intimidade amorosa que a oração desse profeta se tornou potente. Ele não ora para si, mas pelos outros, pelo povo de Deus, e foi capaz de enfrentar a Deus por amor de seu povo, bem como enfrentar seu povo por amor de Deus. Ele era um homem ousado, inflamado pela experiência do amor de seu “amigo Deus”.
A oração de intercessão é profundamente agradável a Deus, pois é desprovida do veneno de nosso egoísmo. Quando rezamos pelos outros, saímos de nós mesmos, de nosso mundinho de mesquinhez e experimentamos o mesmo que Dom Bosco: Deus nos colocou no mundo para os outros.

Jesus viveu para os outros, viveu para o Pai e para nós, esquecendo-se de Si mesmo. Ele é o único intercessor junto ao Pai em favor de todos os homens.
Interceder é pedir em favor de alguém, de maneira especial por aqueles que mais necessitam. Só quem experimentou a misericórdia do Senhor pode interceder com eficácia, pois ninguém pode dar o que não recebeu. É um coração misericordioso que faz a nossa oração agradável a Deus.
O intercessor só pode ser um homem cheio do Espírito, pois o Espírito Santo é o Paráclito, Ele mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis. Se estar cheios do Espírito nos leva a interceder, o contrário também é verdade: interceder vai nos fazendo cada vez mais plenos do Espírito Santo; basta que Ele veja um coração determinado à intercessão, que já vem logo ensinar como fazê-lo.

(Texto extraído do livro "Quando só Deus é a resposta")
Origem: Canção Nova (Missionário Marcio Mendes)

terça-feira, 27 de setembro de 2011

FIRMES NA FÉ





                     SEDE PACIENTES NA TRIBULAÇÃO E PERSEVERANTES NA ORAÇÃO




Embora o ato de fé tenha características de racionalidade, não há dúvida de que, por ele, entramos no âmbito do sobrenatural. Vale dizer que a fé nos introduz no mundo do mistério, não muito fácil de ser explicado. Só um ser racional pode ter fé, pois isso envolve uma qualidade divina, que apenas os seres constituídos “imagem e semelhança de Deus” podem ter: a liberdade.

Como explicar esse ato, que está no fundo do coração humano, de confiar, de maneira livre e inabalável, numa pessoa? A fé, antes de ser esforço e busca do ser humano, é dom gratuito, oferta do Grande Ser de toda a criação. Com isso fica claro que a nossa resposta é o ato segundo, porque o ato primeiro é a graça que nos vem do Ser Amoroso.

Crer não é aderir a verdades. É aceitar uma Pessoa, Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, vejam bem, na oração do Credo rezamos primeiro “creio no Espírito Santo”, para só depois dizermos que “creio na Igreja Católica”. Assim estamos dizendo que cremos na Igreja, por ser obra Espírito Divino.

No ato de acreditar está sempre embutida, com mais força ou menos, a dúvida. Esta é tanto maior quanto menos tivermos a humildade de rezar e também de estudar. No entanto, além das dúvidas, pode aparecer um problema muito maior, que é o abalo de nossa confiança em Deus. A isso podemos ficar expostos nas grandes tribulações.

Numa grande enchente, num cruel terremoto, numa seca interminável, nos horrores da guerra, na miséria extrema, só ainda o coração fiel é capaz de se agarrar ao Senhor e exclamar: “Olha para mim, Senhor”  (Jer 18, 19).

Quem não acredita que Deus é capaz de fazer brotar o bem de um grande mal corre o risco de abandonar a sua fé. Como também podem ocorrer males dentro da comunidade católica: desentendimentos com os líderes religiosos, desavenças dentro da paróquia, injustiças reais ou imaginárias, desprezo pelos pobres. E aí vem a grande tentação: não crer mais na Igreja Católica, e aderir a outras denominações religiosas (como se nessas não acontecessem problemas). “Sede pacientes na tribulação e perseverantes na oração” (Rom 12, 12). Apesar disso, quantos no Brasil abandonaram a sua fé na Igreja e buscaram outros grupos de fiéis. Isso nos entristece.
Dom Aloísio Roque Oppermann scj -
domroqueopp@terra.com.br

Fonte: Canção Nova

                                  NOSSA IRMÃ IGREJA ORTODOXA ORIENTAL

sábado, 24 de setembro de 2011

O QUE SIGNIFICA "AFETIVIDADE" ? "Autoimagem, depressão, medo, rejeição, preocupação, e solidão." Essa lista acima citada, trata-se de algumas das variadas formas de mostrar onde funciona a nossa afetividade. No lado emocional e psicológico, são respostas de que alguma coisa não está funcionando bem em nós. Etimologicamente falando, afetividade vem do Latim afficere, afectum, produzir impressão. Composto da partícula ad = em, para; e facere = fazer, operar, agir, produzir. Afeição (vinda de afeto), é representado por um apego a alguém ou a alguma coisa, gerando carinho, saudade (quando distantes), confiança e intimidade, o termo perfeito para amor entre duas pessoas. O afeto, é um dos sentimentos que mais gera autoestima entre pessoas (principalmente jovens e idosos), pois produz um hormônio que garante o bem-estar do corpo. Um conjunto de fenômenos psíquicos que se manifestam sob a forma de emoções, sentimentos e paixões, acompanhados sempre da impressão de dor ou prazer, de satisfação ou insatisfação, de agrado ou desagrado, de alegria ou tristeza. O termo afetividade é a parte fundamental da nossa vida. É por ela que somos e agimos. Todo o nosso ser: pensar, falar e agir, tem a sua origem completamente ligados à afetividade. Por ela somos movidos a cada instante. Completando a nossa análise sobre a questão da afetividade, cada situação que vivemos no dia a dia, o nosso interior irá sentir uma resposta que podemos chamar de moção do coração, ou seja, como reagimos diante da situação ora vivida. Podemos citar uma situação como exemplo, tipo: que tipo de reação vamos sentir ao saber que perdemos o emprego. Ou, como foi a minha reação ao saber que o meu cachorrinho de estimação morreu. Ou, ainda: o que senti ao ler uma passagem da bíblia. O que sentimos interiormente será a moção do coração: a sensação que sentimos, que pode ser "consoladora ou desoladora". Se estamos com a nossa afetividade ferida e machucada, ficaremos totalmente entregues aos sentimentos e não teremos controle sobre nós mesmos. Perderemos a noção da nossa dignidade humana (autoimagem) e começamos a sentir todos os frutos desta perda da nossa identidade. A depressão começa a se manifestar, pois ela começa quando deixamos de trazer para dentro de nós as coisas para serem traduzidas pela reflexão, onde o refletir nos leva ao caminho de uma verdade. Ao invés de refletir, passamos a pensar, pensar e pensar, e os pensamentos vão adquirindo forças para transformar em realidades tudo como se fossem reais. Imaginamos coisas que não existem, mas se tornam como vida dentro de nós. O sentimento de medo também vai se tornando parte do nosso corpo e da nossa mente, pois o medo supõe erro. O medo de perder, de sofrer, de cair, de ficar sozinho(a), vai ganhando vida e força dentro de nós. O acúmulo dessa natureza vai a cada dia pesando dentro de nós, e vai criando uma casca em nosso coração e com isso a luz da verdade fica totalmente obscurecida. Aumenta a nossa preocupação com as coisas, pois vamos perdendo o controle de tudo. Mesmo não existindo motivos, a preocupação vai ter vida. Um dos aspéctos mais dolorosos que corroem o coração de quem está vivendo essa situação é o sentimento de rejeição. Qualquer situação serve para machucar o coração de quem carrega a dor de rejeição. Mesmo um simples olhar de alguém serve para fazer doer quem está em depressão. ;O sentimento de rejeição talvez seja a dor mais forte que um ser humano pode sentir. Sentir-se rejeitado é como estourar uma bomba dentro de nós: não sobra nada! Para terminar, tudo isso que sentimos como fruto da nossa afetividade, nos dá um sentimento ainda mais pesado, que é a solidão. Nada nos faz sentir como se estivéssemos vivos, no mundo. O mundo de quem sente solidão é pequeno, sem espaço e nada é real. Tudo é imaginação e a cegueira é total. Achamos que ninguém gosta da gente e o vazio toma conta de tudo. Portanto, não precisamos desanimar, pois o Senhor Jesus tem remédio para tudo. Como diz São Paulo: "Pois, quando somos fracos, então é que estamos fortes" (2 Tm,) vamos firmes na fé em busca da nossa cura interior, levando conosco a esperança de encontrar nas pegadas de Jesus a nossa vida, pois foi para isso que Ele nos deu a Sua. Na alegria de Jesus ressuscitado, Deus abençoe a todos!! Carlos - Comunidade Pedras Vivas

terça-feira, 20 de setembro de 2011

DIA A DIA

A EXPERIÊNCIA COM O RESSUSCITADO Queremos ver Jesus: Caminho, Verdade e vida! O coração é a sede da personalidade moral: "É do coração que procedem más intenções, assassínios, adultérios, prostituições, roubos, falsos testemunhos e difamações" (Mt 15,19). Baseado neste texto tirado do CIC, podemos compreender que tudo em nós começam pelas disposições do nosso coração. Toda a nossa capacidade de querer e fazer o bem, passa pela situação do nosso coração. Queremos ver Jesus, pois como cristãos, sabemos ser Ele o Caminho, a Verdade e a nossa Vida (Jo 14,6), mas não conseguimos ver Jesus neste mundo para poder ter a certeza de que estamos no caminho certo. No entanto, somos intimamente chamados a viver nesta linda e sublime comunhão com Jesus ressuscitado. Certamente, Jesus se encontra escondido de nós, já que não O encontramos com a facilidade e simplicidade pela qual Ele diz se manifestar a nós. Onde está Jesus e como poderemos vê-Lo? Os textos sagrados contém expressões que definem que podemos ver Jesus; e o próprio Jesus dá uma fórmula simples para que isso se torne realidade: coração puro! "Conserva-te na simplicidade, na inocência, e serás como as criancinhas que ignoram o mal destruidor da vida e dos homens." (Hermas, mandato 2,1) Diante desta realidade Evangélica, precisamos nos conscientizar da nossa condição de pecador, que vai se acumulando de rancores, ódios, mágoas, ressentimentos, angústias, iras e tudo mais pela vida, o que vai criando uma espessa cortina de ferro entre a Luz de Cristo e a nós mesmos. A sexta bem-aventurança proclama: "Bem aventurados os puros de coração, porque verão a Deus" (Mt 5,8). A expressão "puros de coração" designa aqueles que entregaram o coração e a inteligência às exigências da santidade de Deus, principalmente em três campos: a Caridade, a castidade ou a a retidão sexual, o Amor à verdade e a ortodoxia da fé. Existe um laço de união entre a pureza do coração, do corpo e da fé. Aos "puros de coração" está prometido ver a Deus face a face e serem semelhantes a Ele. A pureza do coração é a condição prévia da visão. Desde já nos concede ver segundo Deus, receber o outro como um "próximo"; permite-nos perceber o corpo humano, o nosso e o do próximo, como um templo do Espírito Santo, uma manifestação da beleza Divina. Portanto, ver a Jesus neste mundo tão simulador de coisas boas, só será possível se passarmos por uma mortificação de tudo aquilo que invadiu o nosso coração e o tornou impuro. Purificar o nosso coração e o fazer voltar ao estado de uma criança, é fato pra podermos ver e viver Jesus em nossos dias! Deus seja louvado e adorado!! Carlos - Comunidade Pedras Vivas

terça-feira, 13 de setembro de 2011

NOSSO DIA

ONDE ESTAMOS DEPOSITANDO A NOSSA ESPERANÇA? Caminhamos por uma estrada sinuosa, mas atraente aos nossos olhos Quando perguntamos a nós mesmos que sentido tem a nossa vida, ficamos decepcionados com a resposta, pois não conseguimos encontrá-la. Estamos caminhando rumo ao desconhecido como aquele povo no deserto no tempo do Êxodo. Como na história da Sagrada Escritura, estamos sendo guiados por um homem enviado por Deus, mas não temos a capacidade de entendê-Lo. Moisés, homem simples, humilde e sem nenhum título que lhe pudesse ser atribuído, foi o escolhido para levar o povo de Deus, escravizado no Egito, para a terra prometida. Conhecendo essa história, percebemos que foi uma luta diária pra Moisés controlar o povo naquela caminhada pelo deserto, pois estavam apegados nas coisas que tinham no Egito, mesmo sendo escravos do Faraó. Ao passar pelas dificuldades desta travessia no deserto, sentiram falta da abundância de comida, e não sentiam nenhuma alegria na esperança de encontrar a terra prometida, pois sentiam as dores e os sofrimentos sem ver acontecer nada de bom naquela caminhada. Eram guiados pela visão e não pela esperança! Transportando para os dias de hoje esta travessia, entramos para o deserto sabendo que o nosso caminho é o céu; mesmo assim, duvidamos pelos mesmos motivos do antigo povo: não vemos nada com os nossos olhos, mas nos importamos com as nossas dificuldades, segurança, medos, sofrimentos e nossas dores. Não damos a importância para aquilo que nos espera: o céu! Ficamos apegados com a nossa vida aqui na terra, esquecendo que Jesus veio para transformar o rumo da nossa história. Jesus é tão mal compreendido como foi Moisés, pois nada tem de atrativo em suas palavras e na vida, e até morreu como o pior dos pecadores, mesmo sem ter nascido em forma de pecado e também sem ter cometido nenhum em toda a sua vida. Jesus morreu, mas diante do plano da salvação, Deus O ressuscitou dos mortos e nos condicionou a morrer com Ele e a ressuscitar com Ele; isso, através da fé! Portanto, ter fé em Jesus é buscá-Lo de forma diferente das coisas tradicionais, pois a própria fé é uma certeza de já possuir aquilo que se espera e perceber realidades que não se vêem (cf Hb 11,1). Então, como poderemos caminhar por uma estrada onde não vemos nada com os nossos olhos, mas permanentemente na alegria de que na frente está aquilo que tanto procuramos? É a certeza de que esta maravilha já será vivida por nós e antecipada por Deus, para que possamos ir ao Seu encontro sem nada a nos perturbar, mesmo diante de todas as tribulações e agitações que o mundo possa nos oferecer! Sim, Deus é sensacional quando colocamos Nele a nossa esperança. Ele vai nos revelando tudo aquilo que precisamos para fazer uma caminhada pelas pegadas de Jesus. E a Igreja está totalmente disposta e preparada para essa missão, pois ela tem Jesus como cabeça, como fundamento! Com todas as suas fraquezas e dificuldades, a Igreja é a nossa mãe que educa e ensina o Caminho. Por isso, sem ela este Caminho se torna cheio de pedras e nas trevas, e vivemos como um povo sozinho no mundo! Que a Santa Igreja encontre sempre força, sabedoria e Luz para guiar o seu povo, pois a Igreja somos nós que em Deus depositamos toda a nossa esperança! Abraços com a ternura de Cristo! Carlos - CCPV

domingo, 11 de setembro de 2011

REFLEXÃO DO DIA

PORQUE O PERDÃO É IMPORTANTE PARA NÓS? A mesquinhez humana procura sempre uma medida para perdoar Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes? Jesus respondeu: "Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete." (Mt 8,21-22) Pedro foi até muito generoso calculando em sete o número de vezes que se deve perdoar, pois a tradição era perdoar até 3 vezes. Sete tem um valor especial, pois trata-se da perfeição, da totalidade, e Jesus mostrou a Pedro que não existe um número exato para o perdão, mas infinitamente! Olhando pela lógica puramente humana, perdoar torna-se uma dor mais forte do que o mal feito em nós. "Meus pensamentos não são os vossos pensamentos; vossos caminhos não são os meus caminhos, diz o Senhor!" (Is 55,8) Como vemos, a lógica de Deus é diferente da dos homens. Deus conhece as nossas dificuldades e a sua paciência não tem limites. Jesus ensina de forma concreta, sem subterfúgios e enganações, pois a única forma de libertar-nos da tirania do pecado é através do perdão, vindo da misericórdia divina. O perdão enobrece a nossa alma, mas se não conseguimos perdoar é por causa do nosso orgulho e ressentimentos. Jesus havia ensinado a amar os próprios inimigos, e orar pelos que nos perseguem a fim de sermos filhos do Pai que está nos céus, que faz surgir o sol sobre os bons e os maus e faz chover sobre os justos e injustos. Portanto, em consequência dessa experiência do perdão de Deus, o homem deve aprender a perdoar seus irmãos, tanto porque suas ofensas nada são diante da gravidade do pecado, como porque ele já foi alvo do perdão de Deus. Precisamos perdoar, pois a fragilidade humana atinge a todos nós. Somos todos pecadores e não estamos imunes de fazer o mal! Deus seja louvado e adorado! Carlos - Comunidade Pedras Vivas

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

LITURGIA DO DIA - PARTILHA







Evangelho (João 1,45-51)

Quarta-Feira, 24 de Agosto de 2011


São Bartolomeu




— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

45Filipe encontrou-se com Na­tanael e lhe disse: “Encontramos aquele de quem Moisés escreveu na Lei, e também os profetas: Jesus de Nazaré, o filho de José”.
46Natanael disse: “De Nazaré pode sair coisa boa?” Filipe respondeu: “Vem ver!” 47Jesus viu Nata­nael que vinha para ele e comentou: “Aí vem um israelita de verdade, um homem sem falsidade”. 48Natanael perguntou: “De onde me conheces?” Jesus respondeu: “Antes que Filipe te chamasse, enquanto estavas debaixo da figueira, eu te vi”. 49Na­ta­nael respondeu: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel”.
50Jesus disse: “Tu crês porque te disse: Eu te vi debaixo da figueira? Coisas maiores que esta verás!” 51E Jesus continuou: “Em verdade, em verdade eu vos digo: Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”.

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor.


JESUS SEMPRE NOS ESTIMULA A CAMINHAR COM ELE


Estamos partilhando o início de Jesus em sua caminhada, onde também começa a chamar e a escolher os seus discípulos. Podemos perceber que Jesus usa de métodos característicos de quem conhece aquilo que faz, e mostra que está atento aos acontecimentos. As escolha de Jesus nos estimula a buscar compreender os seus critérios de escolhas, pois desafia a nossa lógica. Jesus não escolhe pelo caminho aqueles que são considerados os melhores, mas ao contrário, aqueles rejeitados e mais difíceis de se relacionarem.

Transportando para os dias de hoje, Jesus continua a sua caminhada de escolhas, buscando naqueles que se disponibilizam um lugar onde possam colocar em prática a sua vocação. São chamados que parecem diferentes um do outro, pois dá-se a impressão que o Jesus do Evangelho era mais fácil de ser percebido do que o Jesus de hoje, pois Ele estava presente num homem como nós. Aí que está a beleza da nossa história com Jesus.

Se Jesus parecia ser mais fácil de ser compreendido e percebido, porque os discípulos, e porque não dizer todas as pessoas, não conseguiam ver a Divindade naquele homem? Assim como Natanael, sabemos que Jesus vem da parte de Deus e é um profeta, mas as nossas dificuldades de ver Jesus continuam.

Portanto, responder ao chamado de Jesus que continua caminhando conosco é o nosso desafio, pois estamos ligados em nossa história, apegados em nossos sonhos e projetos, e camuflados para não sermos percebidos por Aquele que está vendo tudo, pois se antes Ele podia ver, muito mais agora, pois hoje Ele está dentro de nós!

Deus seja louvado e adorado!

Carlos - Comunidade Pedras Vivas




quarta-feira, 17 de agosto de 2011

PARTILHA




COMO ESTÁ O NOSSO CORAÇÃO?


Para Deus, precisamos ser vias de santidade e não de pecado


É-nos necessário voltarmos às primeiras páginas das Sagradas Escrituras, onde o Nosso Criador manteve um dos mais longos e decisivos diálogos com a sua criatura, para podermos lembrar da nossa dignidade de filhos de Deus. Esse diálogo aconteceu logo depois dos primeiros frutos do pecado, onde Caim matou o seu irmão Abel, por causa da inveja que se abateu eu seu coração, por Deus ter-se agradado mais pela oferta do trabalho de Abel, do que pela sua oferta.

"A ti vai seu desejo, mas tu deve dominá-lo" (Gn 4,7c). Aparentemente, à primeira vista, parece ser uma frase cotidiana, dessas que lemos em qualquer lugar, e até num para-choque de caminhão. Mas nesta Palavra de Deus está contido o maior testemunho do próprio Senhor, de quanto seremos tentados pelos desejos. Virão sempre...sempre! Podemos até perder o sentido de tentação, achando que será somente pelas vias da nossa sexualidade, mas não é somente por ela, e sim, também pela nossa afetividade.

Afetividade e sexualidade andam juntas em nós e precisam estar num perfeito sincronismo. Uma não pode sobrepor à outra, sob pena de agirmos deliberadamente sem nenhum sentido e domínio. Sem a nossa afetividade restaurada sob os aspectos naturais da nossa dignidade de filhos, perderemos o controle sobre nós mesmos, e ficamos totalmente fracos para dominar os nossos instintos feridos pelo pecado. Ou seja, os sentimentos gerados pela falta de domínio, nos remeterão para a ação sem nenhum controle emocional da razão. Agiremos sob o domínio do mal!

Caim não teve como acolher com humildade a escolha de Deus pela oferta de Abel. Seu coração estava cheio de sentimentos ruins acumulados, e a sua reação veio com um furor ao ponto de matar seu próprio irmão. Caim não teve domínio do seu desejo de matar, como ensinou o Senhor Deus. Não podemos nos perturbar com isso, pois todos nós somos como Caim. Por isso, devemos usar essa partilha como um instrumento para refletirmos como está o nosso coração. Como temos acolhido os fatos da nossa vida? Como está o nosso coração? Muitas vezes nos assustamos quando vemos uma notícia de que alguém matou uma pessoa da família por causa de uma coisinha tão simples. Ficamos assustados com isso, achando um absurdo e até condenamos o autor sem complacência.

Eis a questão! Para quem está sob a condição de dominar os seus desejos, tudo começa com aquilo que ele produz em sua vida para ofertar a Deus. Estamos oferecendo o nosso melhor e o que Lhe agrada? Estamos caminhando sob as pegadas de Jesus afim de encontrar os meios para a nossa santificação e oferecer o nosso melhor? Ou estamos vivendo sob a nossa ótica imperfeita e obscura? Se caminhamos com os olhos vendados para Deus e abertos para o mundo, certamente estamos acumulando escuridão e nossos olhares buscarão somente aquilo que mata a nossa alma e também a dos nossos irmãos.

Os desejos virão: ciúme, inveja, ira, raiva, ódio, tristeza, melancolia, angústia, aflição, mas aquele que está em Cristo e com Cristo, dominará todos esses desejos e continuará sendo Luz para todos que se achegarem a si.

Que essa partilha seja uma fonte de Luz para todos nós!


Deus seja louvado e adorado!!

Carlos - Comunidade Pedras Vivas

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

DIA A DIA






ONDE ESTÁ A RESPOSTA PARA OS NOSSOS ANSEIOS?


Santo Agostinho é um dos Santos doutores da Igreja. Nasceu num dos países africanos, e em sua vida e história tiveram fatos interessantes, com valores preciosos e teológicos que podemos ter acesso através dos seus escritos, entre eles: "Confissões".

Agostinho viveu toda a sua juventude buscando em sua liberdade os meios para ser feliz. Ele era ávido em sua busca pela tal felicidade, pois buscava dentro dele todas as forças para viver aquilo que ele era seduzido a procurar: ser feliz!

Vamos deixar Agostinho para o passo final desta partilha, e buscar nesse primeiro trecho alguma semelhança conosco e com a nossa história. Podemos perceber que aquilo que fazia Agostinho se lançar ávidamente em busca da felicidade se encontrava dentro dele mesmo. Uma força tirada dos seus anseios o lançava para o mundo em busca do seu bem maior!

Todos nós somos assim, ávidos para encontrar a nossa tal felicidade. Nascemos movidos em busca de sermos felizes. O nosso Criador insere em cada um de nós esse desejo de ser feliz. Portanto, não somos nós que cultivamos esse desejo, mas já nascemos com ele. Então, onde está a tal felicidade?

Voltando a Agostinho, ele faz a si mesmo esta pergunta: "Oh! Doce felicidade, onde foi que te conheci para desejá-la tanto?" Com isso, foi nascendo um desejo diferente no coração desse homem, pois sentia a cada dia uma voz dentro de si mesmo a chamá-lo a ver que as maravilhas que o mundo oferecia, mas não se podia ver com os seus olhos de fora para dentro, mas de dentro para fora.

Agostinho descobriu algo novo que mudou o rumo da sua história. Descobriu que tudo aquilo que procurava se encontrava dentro dele mesmo. Descobriu que tudo ao seu redor, para ter a verdade em sua beleza, precisava ser visto com os olhos daquele que havia sido descoberto dentro dele: Deus! A felicidade era Deus! O mundo, as coisas e as pessoas passaram a ter um outro sentido; não eram do mesmo jeito como antes desta sublime descoberta. Deus transformou a sua visão! De fora para dentro, tudo pode ser visto conforme está a nossa visão, pois os nossos olhos são lâmpadas para o nosso corpo. Se nossos olhos estão na escuridão, também assim estará o nosso coração!

Portanto, terminamos essa partilha de hoje lembrando a célebre frase de Agostinho, que após descobrir dentro de si mesmo todas as respostas, disse: "Tarde demais te amei, ó beleza tão antiga e tão nova; tarde demais te amei! Eis que habitavas dentro de mim e eu te procura do lado de fora!" (do livro "Confissões)

Senhor Jesus, conceda-nos a docilidade que fez Agostinho voltar a Ti.

Deus seja louvado e adorado!!

Carlos - Comunidade Pedras Vivas








terça-feira, 9 de agosto de 2011

FRASE




"Ohhh!! Doce Amor, porque nos custa tanto amar...? Ohhh!! Dor de Amor, quem te cura é o próprio Amor. Então vem, Amor...Quero morrer de dor...! ^^

REFLEXÃO DO DIA





POR QUE PRECISAMOS PERDOAR?

O perdão tem em sua ação a cura e a libertação de quem perdoa


Certo dia, uma amiga desses sites de relacionamentos sociais, postou um comentário em seu mural, tipo um desabafo por ter sido traída por seu namorado. Suas palavras eram mais ou menos assim: "É incrível como os homens são tão (...)... Mesmo AMANDO uma mulher são capazes de trair!"

À primeira vista, lendo esse texto tirado de um coração ferido, podemos sentir em nós, a dor e a aflição que essa menina estava passando, pois o sentimento de traição é muito dolorido, pois ele vem acompanhado de muitas outras coisas, entre elas, uma corroída dúvida: porque? Porque fui traída, pois depositei nele todo o meu Amor? O que essa outra mulher possui que eu não poderia possuir? É doloroso!

Podemos refletir que a maior dor que um ser humano pode sofrer está no sentimento de rejeição. Dói a gente se doar e receber como retribuição uma traição. Dói a gente depositar toda a nossa confiança em alguém, e esse alguém retribuir traindo. Dói...Dói muito dar a própria vida para a salvação de toda a humanidade, mas assim mesmo ser traído para morrer como o pior, dos piores homens deste mundo.

Numa partilha de Jesus com seus discípulos, Pedro perguntou ao Mestre quantas vezes devemos perdoar a quem pecar contra nós? E complementa: até sete vezes? Jesus sabiamente lhe responde: não digo sete vezes, mas setenta vezes sete! O número 7 tem seu destaque na Teologia Bíblica, pois significa a totalidade, perfeição! Jesus quis dizer a Pedro que o perdão não tem limites. Não existem motivos para perdoarmos e nem quantas vezes a pessoa merece o nosso perdão!

O perdão é incondicional! Não existe quem mereça o perdão, pois cometeu algo que causou danos a alguém, ou até a si próprio. Quando sentimos uma dor por alguma perda, queremos a justiça. Essa justiça poderá ser através de uma vingança, ou até uma condenação, pois queremos que a justiça seja feita. Com isso, Jesus quer nos ensinar que o melhor caminho para a nossa verdadeira justiça, é o perdão, pois na ótica de Jesus, não existe paz dentro de nós, se não existir a justiça. O melhor disso é que Jesus não conhece outra justiça que não seja acompanhada pelo perdão!

Portanto, não existe Paz sem justiça e nem justiça sem perdão! Aprendamos nesta pedagogia de Jesus que o perdão é fruto do Amor. Não se perdoa simplesmente por perdoar, mas somente o Amor é capaz de perdoar sem causar traumas e sequelas. Jesus disse em sua últimas palavras: "Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem." (Lc 23, 34) Não sabemos o que fazemos sem estar no Amor de Jesus, por isso decepcionamos a quem nos ama e até dá sua vida por nós!

Senhor Jesus, ensina-nos a buscar o Seu Amor, pois nesta vida vamos precisar a cada instante de perdoar!

Deus seja louvado e adorado!

Carlos - Comunidade Pedras Vivas




segunda-feira, 8 de agosto de 2011

DIA A DIA







ONDE ESTÁ JESUS RESSUSCITADO?


Somos convidados a seguir as pegadas de Jesus, mas onde Ele está?



Como é bom testemunhar tantos fiéis de todas as religiões cristãs existentes no meio de nós, que anunciam e falam abertamente o nome de Jesus, afirmando com toda a fé que não existe outra salvação fora Dele. Convidam as pessoas a fazerem uma experiência de Amor, e às vezes até convidam para ir a tal igreja participar dos cultos, encontros, missas, e etc.

Como é bom saber que o nome de Jesus continua tão firme e forte, mesmo se passando mais de 2000 anos da sua revelação e história. O povo Cristão vai espalhando no passar dos anos, para cada geração da forma mais adequada, como é comum em nossa geração, que usa todos os meios de comunicações sociais existentes e disponíveis.

Mas, se Jesus é tão anunciado, tão falado, sendo mais de 3 bilhões de fiéis cristãos em todo o mundo, para fazer desta realidade de salvação a nossa vida, onde está este Jesus? Como podemos ver este Jesus que se diz no meio de nós? Qual a religião que anuncia Jesus e é capaz de nos mostrá-Lo da forma que Ele fala que está no meio de nós? Onde está este Jesus vivo?

Essa é a dúvida que carregamos quando somos chamados a aceitar Jesus em nossa vida. Não vemos o Jesus que anunciam; que pregam; que convidam para conhecer! Diante das nossas dificuldades, somos tentados a desistir desta história, pois queremos algo palpável, algo que realmente nos faça acreditar.

Portanto, se temos que escolher um Caminho para vê-Lo, precisamos de uma decisão firme, decidida com toda a força da nossa alma e da nossa inteligência, buscando nesta decisão as coisas novas que nunca ouvimos e nem vimos. Precisamos buscar uma resposta para as nossas dúvidas dentro de nós mesmos, desafiando Deus a nos revelar o Caminho a seguir, pois a fé só começa a se desabrochar em nós, quando aprendemos que se é fé, nada precisamos ver, pois a fé é acreditar sem ver! É viver na esperança aquilo que ainda vem, mas já possuindo agora, tudo que esperamos. (cf Hb 11,1)

Aprendi em minha caminhada de fé, que a Igreja Católica nos convida a ver nela o rosto de Cristo. Aprendi que nos seus 2011 de vida Apostólica a Igreja passou por todas as dificuldades, a ponto de cair no descrédito e quase acabar. Aprendi que esta Igreja nos chama a buscar Jesus na pessoa de alguém, mas principalmente na pessoa do mais pobre, e até na pessoa de quem a gente menos acredita estar Jesus.

Concluímos, amigos e irmãos, que Jesus está vivo sim! E não existe nenhuma outra forma Dele se mostrar, que não seja através de algum de nós! Se buscarmos Jesus numa igreja, ou em alguma religião que não transforma o nosso ser, não vale nada! Se seguimos Jesus, mas continuamos os mesmos, saia desse caminho, pois Jesus não está nele!


Deus seja louvado e adorado!!

Carlos - Comunidade Pedras Vivas










domingo, 7 de agosto de 2011

DIA A DIA








PORQUE NÃO LUTAMOS POR AQUILO QUE DEUS NOS CHAMA A SER?


O medo da transformação tira de nós a coragem de nos abrir a Jesus


Comecemos a partilha de hoje lembrando as palavras de Jesus: "Pois quem quiser salvar sua vida a perderá, e quem perder sua vida por causa de Mim, a salvará. Com efeito, de
que adianta a alguém ganhar o mundo inteiro, se vier a perder-se e a arruinar a si mesmo?" (Lc 9, 24-25)

É muito duro para nós e até estranho ao nosso entendimento transformar essas palavras em realidade, pois Jesus fala de uma forma que realmente nos colocam sobre a pressão da decisão. Decisão, essa é a atitude de quem ouve a Palavra de Deus e deseja fazer uma experiência de Amor e mudar a realidade da sua vida. Decidir pela vida! Decidir pela obediência à verdade do Evangelho, pois é a Boa Nova anunciada a todos nós.

No entanto, somos educados pelo mundo, este mundo a que se refere Jesus; este mundo que oferece vida, alegria, contentamento, prazeres, liberdade e tudo mais que desperta nossos interesses e desejos. Este mundo não revela a eternidade e nem nos prepara para ver Jesus. Neste mundo, Jesus não tem vez!

Mas, Ele não desiste de nós! Sabe como lidar com esta realidade, pois se tornou um de nós; aprendeu as manhas do mundo e nos deixou a fórmula para encontrarmos a vida. Mesmo que doa aos nossos ouvidos e faz arder o nosso coração, precisamos crer que a nossa vida está escondida na humanidade de Jesus, e fazer a escolha pela eternidade, pois desejar a vida é desejar o céu. Custa-nos tomar esta decisão, pois o céu a gente não vê, mas os prazeres do mundo são totalmente expostos aos nossos olhos.

Portanto, amigos e irmãos, busquemos nas promessas de Cristo a força para encontrar a nossa vida que se esconde com Ele, em Deus Pai; e confiantes em sua viva presença neste mundo secularizado, meditemos nessas Palavras: "Em verdade vos digo: alguns dos que estão aqui presentes não provarão a morte, sem antes terem visto o Reino de Deus." (Lc 9, 27)

Ns alegria do Senhor Jesus, Paz e Bem!


Deus seja louvado e adorado!!


Carlos - Comunidade Pedras Vivas

sábado, 6 de agosto de 2011

DIA A DIA





PORQUE AMAR NOS CUSTA TANTO?



"Quem não ama permanece na morte" (1Jo 3, 14b)



Em qualquer situação da nossa vida o Amor está presente. Tudo que pensamos, sentimos e fazemos, o Amor precisa estar presente como o centro de todos os nossos movimentos. Sem Amor, até os nossos passos perdem o sincronismo; mudamos de direção, sem percebermos que ali não era o caminho que deveríamos tomar.

Em cada parte da nossa história, desde os Livros Sagrados até uma simples poesia, o Amor tem o seu espaço reservado como o inspirador dos relatos e escritos. O Amor inspira a nossa alma e mexe com todo o nosso ser. O Amor...é o Amor!

Tentar explicar o Amor, é buscar a sua teoria no brilho da lua, no cantar dos pássaros, na beleza e no perfume da flor ou no lindo por do sol. O Amor não se explica, o Amor não se traduz: o Amor é amar! Como diz o texto bíblico: o Amor é vida! Quem não ama, apesar de respirar, está morto!

Deus é Amor! Também relata João em sua primeira carta; e isso nos faz refletir o verdadeiro significado do Amor. O pecado gerou a morte, mas o Amor venceu a morte e a transformou em vida. Isso nos faz perceber que aquilo que está nos matando: ódio, rancor, angustia, dor, inveja, ressentimentos (transformar em vida hoje o que já se viveu antes), sentimentos de vingança, ciúmes e etc.

O Amor toma uma forma verdadeira quando começamos a viver a nossa natureza humana na perfeição de Jesus. Antes de nos revelar Deus, que é Amor, Jesus quis nos revelar o verdadeiro homem que somos, pois sem conhecermos a nossa dignidade de filhos, jamais conseguiríamos ver Deus Pai Amor. O pecado matou a nossa natureza, mas o Amor a restituiu, e melhor ainda, nos divinizou, pois Deus nos tornou como Ele, à Sua imagem e semelhança. Se antes do pecado poderíamos ver Deus, hoje podemos ser um Cristo, pois carregamos dentro de nós, em nós, o mesmo Espírito que deu vida a Jesus aqui entre nós.

Portanto, ser chamado a amar não é somente ser Amor para as pessoas, mas dar vida a Jesus que está em cada um de nós. É se doar ao Amor existente em nós, pois quem ama vai sentir ainda mais o Amor amado. O Amor restitui a vida e Deus é revelado para quem recebe o Amor. Assim é o Reino de Deus...Assim é o Reino do Amor: quem ama é o que mais recebe o Amor, pois é o próprio Deus que ama através dele. Deus é Amor, sem Deus não existe vida!

Deus seja louvado e adorado!

Carlos - Comunidade Pedras Vivas

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

REFLEXÃO DO DIA






QUANDO PERMITIMOS QUE JESUS SEJA ELE MESMO EM NOSSO CORAÇÃO, NÃO SOBRA ESPAÇO PARA MAIS NADA, POIS ELE FICA CHEIO DE AMOR!


Carlos - Comunidade Pedras Vivas

FORMAÇÃO




QUAL MEU INTERESSE EM SER DE DEUS?


Somos dominados, muitas vezes, pelo pecado do orgulho. Esse mal é sutil e se disfarça de muitas coisas para nos pegar. Algumas vezes se disfarça até mesmo de humildade.

No serviço do Senhor, principalmente no ministério de música, frequentemente nos esquecemos da palavra "serviço" e começamos a colocar antes dele [serviço] uma série de interesses pessoais, de forma que acabamos, ao final de tudo, não mais proclamando o senhorio do Senhor, e como diz padre Zezinho, em uma canção, sendo “seta que aponta o céu”. Assim, passamos de coração bom, disponível, a construir nosso “mundinho” servindo ao Senhor. Como exemplo posso dizer que, tomados pelo “zelo”, pelo carinho com as coisas de Deus e até pelo ministério, para que tudo saia conforme o combinado, tomamos as coisas para nós, então, elas deixam de ser do Senhor e passam a ser nossas.

Deixamos de ser servidores para ser donos, deixamos de prestar um serviço ao Senhor por intermédio do nosso ministério, para sermos servidos pelos irmãos, ou seja, de forma muito sutil saímos do foco. Nosso interesse entrou e o orgulho dominou nosso ser.

Não é nada agressivo, fizemos, tomados pelo zelo, pelo amor às coisas de Deus, mas acabamos nos esquecendo de alguns detalhes, tais como: Se estou servindo, sirvo ao Senhor, então não preciso ter o tal medo de perder. Se sirvo ao Senhor, sirvo aos irmãos, então, às vezes, vale o silêncio em vez da discussão, do falatório. Silêncio

fecundo é aquele que espera a melhor hora para dizer, para corrigir; não o silêncio omisso, aquele que, na verdade, expressa: "Não vou falar nada, não! Ele que se dê mal sozinho!".

A grande lei para servirmos ao Senhor é o amor. O amor pelo Senhor e pelos irmãos. Quando enchemos nosso coração de amor, não damos espaço para o orgulho, não damos espaço para nossos interesses. Abandonemo-nos n'Aquele que é o maior interessado em nós e em nossos interesses, nos abandonemos à Providência Divina.


"O Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida" (Mt 20, 28).
Continuo na luta, acreditando sempre que posso ser melhor em Deus.


Postado por André W. Florencio - Missionário da Comunidade Canção Nova

FONTE: Canção Nova

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

DIA A DIA




AMIZADE VIRTUAL...FALSA OU VERDADEIRA?


Somos chamados a viver o Amor nas amizades virtuais


O mundo virtual tem feito transformações no campo das informações a cada instante da nossa vida. A tecnologia tem feito os profissionais da área ultrapassarem o limite de pesquisas, estudos e buscam estratégias para dar ao mundo cada vez mais velocidade em suas informações, e isso mudou completamente o ritmo da nossa vida, que às vezes mudamos de fase na tecnologia sem ter aprendido direito a usar aquele produto que já precisamos trocar.

Mas, o que vamos partilhar neste espaço não tem a ver com a velocidade de informações, mas na qualidade que estamos dando a este meio de comunicação tão precioso para ligar todos os povos do mundo; interagir e fazer intercâmbio de culturas, costumes, fé e principalmente amizade.

Temos a oportunidade de interagir com pessoas de todos os lugares. Criar amizades, conhecer os costumes e tradições de povos que sem essa tecnologia não seria possível.
Portanto, sem um critério de Amor podemos transformar essa riqueza em arma ou instrumento para o mal. Somos tentados a buscar no mundo virtual alguma coisa para satisfazer os nossos prazeres e desejos, e muitas vezes usando aquelas pessoas a quem deveríamos mostrar e revelar o Amor de Deus.

A internet oferece conteúdos que podem nos mostrar o caminho da santidade, como também o caminho da perdição e do pecado. Oferece facilidades de acesso no mais íntimo das pessoas, para não dizer num quarto onde os pais construiu com tanto zelo, carinho e Amor para sua filha ou seu filho passar seus dias e suas noites.

Portanto, podemos concluir que a internet hoje é comprovadamente necessária e eficiente, mas se tornará um pesadelo para todos nós, caso os acessos sejam desconectados com a nossa vida de santidade, pois os acessos se tornarão perigosos, não somente pela velocidade que faz o mundo girar, mas principalmente por oferecer o que de mais apetitoso desejam a nossa sexualidade e afetividade vividas sem discernimento.

Deus seja louvado e adorado em nossa vida!

Carlos - Comunidade Pedras Vivas